Reflexão do Evangelho de quinta-feira 03 de março



Reflexão do Evangelho de quinta-feira 03 de março
Lc 11, 14-23 - Jesus e Beelzebul (calúnias dos fariseus)
      

       O Evangelho é a notícia alegre da salvação para todos os que, embora saibam que são pecadores, “estão acordados” ou, em outras palavras, estão vigilantes, aguardando a vinda do Reino de Deus. Nessa comunidade, em que se coloca claramente que Deus é um Pai de bondade, e que a solidariedade e o amor são o cerne da Lei, os milagres realizados por Jesus levam a crer nele como “vindo de Deus”; e esta é a compreensão de Nicodemos, do cego de nascença e de todos os que reconhecem nele o Messias esperado. Mas para outros, os milagres resultam de um poder que está além do nosso controle, e que é humanamente discutível. Neste sentido, numa interpretação hostil a Jesus, os escribas, descidos de Jerusalém, dizem: “É por Beelzebul, príncipe dos demônios, que Ele expulsa os demônios”.
       O título Beelzebul liga-se a textos antigos e designa o primeiro dentre os inimigos de Deus, considerados pelos pagãos como demônios. Ele está à frente e governa as forças do mal, que constituem um reino em oposição ao reino de Deus. Daí as palavras de Jesus: “Todo reino dividido contra si mesmo não poderá subsistir”, pois o poder do Mal estaria combatendo contra si próprio.
No presente relato, o tema central não é propriamente o milagre, nem a luta entre a luz e as trevas, mas a chegada da salvação, aguardada para o fim dos tempos: Jesus é a presença da luz; quem o acolhe é iluminado pela Verdade, e nada tem a temer, “pois chegou a ele o Reino de Deus”. O Reino vem e já chegou, pois Jesus é o profeta da boa nova da vinda de Deus, que, por Ele, alcança todas as pessoas.
A resposta às acusações dos fariseus é dada pelo próprio Jesus, quando, no dizer de S. João Crisóstomo, “afirma que expulsar os demônios, como Ele acabara de fazer, é obra de um poder grandíssimo e sinal da vinda do Reino de Deus”. É “pelo dedo de Deus”, extensão da mão amorosa do Pai, que Ele quebra o poder do reino do Mal, não restando a este nada mais do que os despojos, que “são as ovelhas perdidas da casa de Israel”.
        Uma atitude neutra não é possível. Por isso, ao ouvi-lo, escribas e fariseus se unem contra Ele, aliando-se aos inimigos do passado, que provocaram a dispersão do povo entre as nações. Daí a reação de Jesus: “A palavra que eu vos disse, é ela que vos julgará no último dia”. No entanto, àqueles que o acolhem, Ele assegura que crer nele é crer na Palavra viva, que salva e comunica a luz da vida, pois “se alguém me ama guardará minha palavra e o Pai o amará, e viremos a ele e faremos nossa morada nele”.

Dom Fernando Antônio Figueiredo, OFM

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Reflexão do Evangelho de Lc 4, 16-30 - Jesus em Nazaré - Segunda-feira 01 de Setembro

Reflexão do Evangelho de Jo 2, 1-11 - Bodas de Caná - Domingo 12 de Outubro