Reflexão do Evangelho de segunda-feira 07 de março



Reflexão do Evangelho de segunda-feira 07 de março
Jo 9, 1- 41 - A cura do cego de nascença
      

       O que seria pior, a cegueira física ou a cegueira moral e espiritual? Se a primeira nos impede de ver a luz do sol, a segunda fecha nossa mente e coração ao amor e à verdade de Deus. Sem se deixar inibir pelas prescrições criadas pelos doutores da Lei ou pelos fariseus, Jesus quer fazê-los ver que nele se cumpre a Lei em suas profundas e básicas intenções. Mas eles são incapazes de reconhecer uma nova perspectiva de salvação; ao contrário, radicalizam-se e se perdem no legalismo formalista sem conteúdo real. Por isso, no final do relato do milagre da cura do cego, Ele se volta para os fariseus e lhes diz: “Se fôsseis cegos não teríeis culpa; mas porque dizeis: Nós vemos! Vosso pecado permanece”. De fato, o percurso feito pelo cego de nascença difere do caminho seguido pelos fariseus: o cego chega a ver Jesus, sensivelmente; os fariseus não logram vê-lo, espiritualmente.
Com os olhos interiores besuntados e adormecidos, os fariseus irão procurar desacreditar Jesus e, não querendo se render ao milagre realizado por Ele, pressionavam os pais daquele que antes era cego, para que negassem os fatos. Mas ele, de maneira bem simples e direta, conta-lhes o que acontecera: “Aquele homem chamado Jesus fez lama, aplicou-a nos meus olhos e me disse: ‘Vai a Siloé e lava-te’. Fui, lavei-me e recobrei a vista”. Ao invés dos doutores da Lei e dos fariseus, o cego de nascença, gradativamente, se fortalece na fé e enxerga quem é Jesus. Se no início, ele o denomina um profeta ou enviado de Deus, no final, ele declara ser Jesus o Filho do Homem, culminando em uma verdadeira confissão de fé, expressa em seu testemunho, tão bem sublinhado pelo Evangelista.
         O desfecho do episódio, apresentado nos versículos finais, esboça o “julgamento”, que cada um provoca pela sua incredulidade ou por sua profissão de fé. O cego vê Jesus com seus olhos corporais e o reconhece em seu coração, enquanto os fariseus permanecem em sua cegueira espiritual, apegados ao sistema do qual se consideram donos; rejeitam tudo quanto questionava seu modo de viver e o seu pretenso saber. A presença do cego os incomoda e eles se sentem confusos diante de suas palavras, tão sinceras, como essas: “Jamais se ouviu dizer que alguém tenha aberto os olhos a um cego de nascença. Se este homem não fosse de Deus, nada poderia fazer”. Por isso, impacientes e irritados, eles o expulsam.
         Curado fisicamente, o cego contempla em seu coração a verdade comunicada por Jesus e é iluminado, interiormente, pela fé. Por esse motivo, ao ser perguntado se acreditava no Filho do homem, ele interroga: “Quem é, para que eu acredite nele”. “Tu o estás vendo: é o que está falando contigo”, responde Jesus. Então, ele exclama: “Creio Senhor, e prostrou-se diante dele”. Atitude que manifesta reconhecimento da presença da misericórdia de Deus, que, em Jesus, ultrapassa tudo quanto ele podia imaginar.

Dom Fernando Antônio Figueiredo, OFM

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Reflexão do Evangelho - Lc 21, 5-19 - A ruína de Jerusalém e o fim dos tempos - Terça-feira 25 de Novembro e Quarta-feira 26 de Novembro