Reflexão do Evangelho de segunda-feira 21 de março



Reflexão do Evangelho de segunda-feira 21 de março
Jo 12, 1-11 - A unção de Betânia
      

       Pasmos, os convivas veem uma mulher que, durante a refeição, se aproxima de Jesus e lava os seus pés com um precioso perfume. O fato de ungir os pés e a cabeça de um convidado era prova de respeito, muito frequente naquela época. Seu gesto, porém, é recriminado, principalmente, por Judas Iscariotes, caracterizado como traidor e como aquele que, sob o véu da piedade e de fingido zelo, esconde a intenção de desviar para si o que era destinado aos pobres.
Nada é alheio ao Senhor. Ele não rejeita, nem condena aquela mulher, dizendo aos presentes “Deixa-a; para me ungir no dia de meu sepultamento é que o guardou! ”. O gesto da mulher traz, assim, à nossa memória o amor gratuito dos pobres, que generosamente se doam, e o valor absoluto do amor a Deus. A pobreza e seus problemas não são enfrentados com a lógica de Judas, bolsa cheia, mas com a lógica do Evangelho, amor gratuito e generoso.  Aliás, citando o Deuteronômio (15, 9-11), Jesus preceitua essa generosidade, presente nos Evangelhos de Mateus e Marcos, o que leva S. Cirilo de Alexandria a dizer: “Marta serve, Maria derrama o perfume: assim, pelas duas, efetiva-se o amor total”.
Maria “tomou uma libra de um perfume de nardo puro (pistikós) ”, termo grego, que é relacionado pelo evangelista S. João à palavra “pístis” (fé), para destacar que o que conta, não é a quantidade de perfume ou o seu valor, mas o reconhecimento da presença de Deus em Jesus, que acolhe a pecadora. Quanto maior o perdão concedido, tanto maior o amor que lhe corresponde. Por isso, o venerável Beda recorda que “os fiéis são também denominados nardos porque compartilham, por meio do amor, dessa unção custosa e pura, e, por suas palavras e atos, rescendem o odor do perfume em toda a Igreja”.
A unção de Betânia reflete não apenas a iminência da partida de Jesus, como também o amor e respeito devidos a Ele. E não só. O Evangelho de S. João ressalta, igualmente, a mensagem profética, simbolizada pelo vaso de alabastro rompido, que perfuma todo o ambiente; prefiguração do divino perfume da fé, que se difundirá pelo mundo afora. O próprio Senhor proclama: “O que fez esta mulher, será anunciado no mundo inteiro”: a realidade do mistério de Cristo ultrapassa toda palavra e gesto humano.  Então, espontaneamente, brota em nós o desejo de que o perfume da fé se difunda e penetre o coração de cada um de nós, de maneira que, unidos a Cristo, estejamos prontos a lavar os pés uns dos outros.

Dom Fernando Antônio Figueiredo, OFM

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Reflexão do Evangelho - Lc 21, 5-19 - A ruína de Jerusalém e o fim dos tempos - Terça-feira 25 de Novembro e Quarta-feira 26 de Novembro