Reflexão do Evangelho de segunda-feira 18 de abril



Reflexão do Evangelho de segunda-feira 18 de abril
Jo 10, 1-10 - O Bom Pastor
      

       A imagem de Deus como pastor está radicada na cultura aramaica, que precedeu os patriarcas de Israel. Nômades, eles viviam em meio a uma civilização pastoril, que via na figura do pastor o chefe e o amigo, sempre pronto a defender o rebanho contra as feras e os assaltos de ladrões. Conhecendo as ovelhas, o pastor as considerava como filhas, levando-as em seus braços quando necessário.
Sobre esse pano de fundo, Jesus se apresenta como o bom Pastor, que conhece e ama suas ovelhas e arrisca sua vida para procurar e salvar a que se desgarrou. Embora não utilize o título de pastor para designar a missão dos Apóstolos, Ele descreve o seu ministério, como também o de seus seguidores, sob os traços misericordiosos e solícitos do pastor que cuida de suas ovelhas e afadiga-se em buscar a ovelha perdida. À noite, ele as recolhe num espaço comum e, de manhã, chamando-as individualmente por seu nome, ele as conduz aos pastos disponíveis.
As ovelhas seguem prontamente seu verdadeiro pastor, porém, não reconhecendo a voz do ladrão ou de um estranho, negam-se a acompanhá-lo. Este entra furtivamente no redil, provavelmente, movido pelo egoísmo e por interesses pessoais, causando danos às ovelhas. Ao invés, entre o bom pastor e suas ovelhas cresce uma relação de familiaridade e de ternura. Elas o seguem com total confiança. Ele é a porta por onde as ovelhas transitam livremente; é o lugar seguro por onde elas entram e por onde chegam às verdes pastagens. Entre eles existe união de mente e de coração, pois a manifesta solicitude do Pastor para com as ovelhas corresponde à afetuosa docilidade em segui-lo.   
Em contraste com os mercenários, Ele conhece as suas ovelhas e faz o sacrifício voluntário de dar sua vida por elas, prova de seu desvelo e de seu amor gratuito e generoso. Ele é o novo Davi, o verdadeiro pastor de Israel, que quer reunir a todos, os que vêm de perto, os judeus, e os que pertencem a outros povos, “que não são deste pátio”, do pátio do Templo. E, aludindo à imolação de si mesmo pelos que o Pai lhe deu e que jamais irão ser arrancados de seus braços, Ele expressa o desejo de que haja “um só rebanho, com um só pastor”. Mandato recebido por Ele do Pai.

Dom Fernando Antônio Figueiredo, OFM

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Reflexão do Evangelho - Lc 21, 5-19 - A ruína de Jerusalém e o fim dos tempos - Terça-feira 25 de Novembro e Quarta-feira 26 de Novembro