Reflexão do Evangelho de quinta-feira 28 de julho





Reflexão do Evangelho de quinta-feira 28 de julho
Mt 13, 47-53 - A parábola da rede


       No tempo de Jesus, a expectativa da vinda do Messias ligava-se à reunião de todo o povo de Israel, que gozaria de um papel messiânico em nível mundial.  O Messias estaria profundamente unido ao seu povo, pois era impensável que um ungido de Deus não agisse em nome de todos. Para os cristãos, esses aspectos eram considerados como um acontecimento moral e espiritual da humanidade, acentuando o “já realizado”, ligado à conversão e às boas ações dos homens; para os judeus, tais aspectos eram concebidos como um tempo novo, que “completaria toda obra começada e deixada inacabada”. Se o cristianismo reconhece em Jesus o cumprimento das profecias, o judaísmo mantém viva a chama da esperança da vinda de um Messias pessoal, acentuando o “ainda não realizado” de sua vinda. Por isso, o tema do Reino de Deus não estava muito presente nos ensinamentos dos fariseus e rabinos, ao contrário dos cristãos, que, confessando em Jesus o Messias de Israel, reconhecem as suas atividades como instauração do Reino de Deus, que se aproxima. O próprio Jesus fala da salvação divina, já se realizando, pois, para Ele, o “hoje” e o “futuro”, embora distintos, estão essencialmente interligados.
Por outro lado, o fato de os pagãos aderirem ao Evangelho é interpretado pelos cristãos como sinal da ação do Messias, reunindo todos os povos numa só fé. Nesse sentido, as parábolas, como a parábola da rede, atestam que foi concedido à humanidade inteira um objetivo a ser atingido, graças a um movimento livre e pessoal para Deus. Assim, a pesca no lago lembra a rede de arrastão, que recolhe todos os tipos de peixes: os bons são colocados nos cestos e os que não eram comestíveis ou considerados impuros pelos judeus observantes, por não terem escamas, são lançados fora.    
O objetivo de Jesus não é descrever sistemas apocalípticos, mas realçar a importância de viver bem o momento presente. O Reino de Deus se estabelece pela força do amor, visando ao bem da humanidade, na certeza de que, por trás das imagens da parábola, Jesus alimenta a esperança de que sempre podemos retornar a Deus e nos reconciliar com o Pai. Nesse sentido, S. Agostinho diz que “a rede é a Igreja, que reúne bons e maus, santos e pecadores e que, no tempo presente, convoca todos, em termos de amor e de misericórdia, a se orientarem segundo a mensagem do Senhor, Rei de justiça e de paz. A missão da Igreja é introduzi-los na comunhão eterna de Deus”. É o fim bom de todas as coisas; que já presente, de modo definitivo, na história da humanidade, se efetiva graças ao perdão misericordioso de Deus, que reinará “acima de tudo”.

Dom Fernando Antônio figueiredo, OFM

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Reflexão do Evangelho - Lc 21, 5-19 - A ruína de Jerusalém e o fim dos tempos - Terça-feira 25 de Novembro e Quarta-feira 26 de Novembro