Reflexão do Evangelho de segunda-feira 04 de julho



Reflexão do Evangelho de segunda-feira 04 de julho
Mt 9,18-26 - Cura da hemorroíssa e ressurreição da filha de Jairo

      
       Levado pelas pessoas que se acotovelam ao seu redor, Jesus pergunta aos Apóstolos: Quem me tocou? Como saber! Uma mulher, que há doze anos sofria de um fluxo de sangue, desesperada, tinha se aproximado de Jesus. Ao ouvir a pergunta feita por Ele aos Apóstolos, assustada, ela se prostra aos seus pés e confessa ter tocado a orla de suas vestes, pois dizia consigo: “Será bastante que eu toque a sua veste e ficarei curada”. As palavras que Jesus lhe dirige: “Ânimo, minha filha, tua fé te salvou”, chegam também ao nosso coração, consolam-nos e despertam em nós profunda confiança, pois o dom da fé nos acompanha, pela vida afora, e a ele se associa a presença do amor incondicional de Deus. O que a salvou foi a sua fé; o decisivo foi o fato de ela ir à procura de Jesus.  
No meio do vivaz burburinho da multidão, a mulher, libertada e agradecida, afasta-se em paz. “O poder de Jesus, escreve S. Hilário, é tão infinito, tão liberal, que a obra da salvação dos homens estava presente até nas franjas de seu manto”.
       Nessa mesma ocasião, um pai angustiado, chefe da Sinagoga, aproxima-se de Jesus e lhe pede por sua filha. S. Agostinho vê representado naquele homem, “o povo judeu, enquanto a hemorroíssa indicaria a Igreja provinda do paganismo”. A ação misericordiosa de Jesus não se restringe a um único povo, ela abrange todos os povos, judeus e pagãos, e o seu zelo por todos é grande. Assim, ao chegar à casa de Jairo, chefe da Sinagoga, Ele vê diversos amigos e parentes que lá estavam pranteando a morte da jovem, e lhes ordena: “Retirai-vos, todos daqui, porque a menina não morreu: está dormindo”. Riem-se dele, e sem entenderem bem o sentido de suas palavras, com um sorriso irônico, retiraram-se. Contra toda esperança, o importante é confiar em Jesus, que garante a presença e o auxílio de Deus. Assim imediatamente, demonstrando firmeza, Jesus entra no quarto da menina e a toma “pela mão e ela se levantou”. Os verbos: dormir, despertar-se e levantar-se, empregados na cura da filha de Jairo e da hemorroíssa, são um prenúncio de sua ressurreição; mas também, de nossa participação na vida divina.  
Pela fé, o ser humano pronuncia seu sim em favor da fonte de sua própria realidade, e chega à convicção de que os milagres não são atos isolados; eles apontam para a cura integral de sua vida em Cristo, em quem a integridade da natureza humana foi restaurada. Na verdade, ao se encarnar, Jesus fez da humanidade sua morada, tornando-a uma teofania, uma manifestação de Deus, e se a justiça original foi perdida ou prejudicada, ela jamais foi destruída, o que permite ao ser humano, graças à vinda do Senhor, retornar à sua disposição primitiva para o bem. Por fim, afirma-se, com todas as letras, que a vitória da misericórdia divina não só foi prevista, mas, desde já, foi introduzida e instaurada.

Dom Fernando Antônio Figueiredo, OFM

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Reflexão do Evangelho - Lc 21, 5-19 - A ruína de Jerusalém e o fim dos tempos - Terça-feira 25 de Novembro e Quarta-feira 26 de Novembro