Reflexão do Evangelho de terça-feira 05 de julho



Reflexão do evangelho de terça-feira 05 de julho
Mt 9, 32-38 - A cura de um endemoninhado
      

       Com a cura do endemoninhado, encerra-se a descrição das obras e dos milagres de Jesus. Destaca-se também a malévola interpretação de seus inimigos, que “vieram de Jerusalém”, enviados pelos guardiões da Lei de Moisés, preocupados com a ortodoxia e o fato de o povo simples acolher os seus ensinamentos. Fechados em suas convicções, eles não medem esforços para salvaguardar a tradição e encontrar razões para explicar o que acontecia, chegando mesmo a alegar que Ele expulsava os demônios de comum acordo com o “príncipe deles”, Beelzebu. Apesar disso, sua fama se espalhava por toda parte e Ele era seguido por uma multidão de pessoas.
        Para Jesus, cada pessoa é preciosa aos seus olhos. Em contraste com alguns de seus contemporâneos, que praticavam a magia e se declaravam capazes de exorcizar, Ele utiliza o poder de sua palavra para mostrar abertamente a todos o rosto de um Deus misericordioso. Ao contrário do desprezo dos fariseus, Ele transmite ternura e carinho. Seu intuito era que eles se voltassem para Deus e confiassem naquele que foi enviado para salvá-los: mudança interior, ou seja, a conversão deles, atestada por ações e vivificada pelo dinamismo do amor.
A propósito desta luta interior, Orígenes fala da liberdade concedida por Deus ao homem, “liberdade que pode conduzi-lo ao cume do bem ou precipitá-lo no abismo do mal”. Jesus não segrega, nem deseja criar uma comunidade pura de Deus, mas anda por toda a parte, para anunciar a boa nova do Evangelho e tornar atuante a benevolência divina. Em seu poder, respeitando a liberdade individual, Jesus dissolve na água viva da sua misericórdia a calosidade do coração humano, tornando-o sensível à beleza da criação, aos sofrimentos e às dores do seu semelhante. Sem se prender ao passado pecaminoso de cada um, Ele quer a salvação e o bem da humanidade, libertando o homem do mal, para introduzi-lo em seu Reino de amor, de paz e de justiça: de uma forma graciosa, a natureza humana já participa do poder de sua ressurreição.

Dom Fernando Antônio Figueiredo, OFM

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Reflexão do Evangelho - Lc 21, 5-19 - A ruína de Jerusalém e o fim dos tempos - Terça-feira 25 de Novembro e Quarta-feira 26 de Novembro