Reflexão do Evangelgo do dia 06 de Agosto de 2013


Terça-feira – 06 de agosto

Lc 9, 28-36 - Transfiguração do Senhor

         

           A fonte de inspiração e referência essencial para nós cristãos é nossa solidariedade com Jesus, melhor, é a inclusão nele de toda a humanidade regenerada. Assim, seus mistérios, como a Transfiguração, não deixam de ter um significado para nós. S. Beda observa que a “transfiguração aponta de maneira simbólica para algo além dela mesma, conduzindo-nos até à ressurreição final”.

Em nós, desde o princípio de nossa existência, há algo que nos convoca a uma vida divina. No dizer de S. Gregório de Nissa, nós somos o espelho no qual se reflete a única e perfeita imagem que é Cristo. Por isso, em sua humanidade, ele revela o que cada ser humano pode e deve se tornar futuramente, o que faz da Transfiguração um momento sublime da manifestação de que o homem, caído em Adão, em Cristo se reergueu.  A única exigência é que os apóstolos compreendam o benefício de crer sem ter visto e, assim, possam sentir a grandeza de sua glória, da qual já participam. “Ele se manifesta aos filhos da luz, reflete Orígenes, que abandonaram as obras das trevas e se revestiram das armas da luz, pois eles tornam-se filhos do dia e andam honestamente como de dia”.

          O Deus-Homem, em quem habita a plenitude da divindade e a luz divina se concentra plenamente, anseia em partilhá-las conosco. No alto da montanha, contemplando a face do Cristo transfigurado, os Apóstolos se sentem inebriados e, pasmos, querendo perpetuar aquele momento, exclamam: “Façamos três tendas”. Pois, diante deles, encontra-se Jesus falando com Moisés, o grande legislador de Israel, e com Elias, o maior dos profetas.

 Sua humanidade, longe de se evaporar em sua glória, no contato com os Apóstolos, irá permitir que eles contemplem a luz eterna de sua divindade e compreendam que o ser humano, desde sua queda, é chamado a se reerguer, sendo já misteriosamente vencedor dele mesmo na vitória de Cristo. Pois se Jesus é o Messias humilhado e sofredor, ele não deixa de ser também o Filho do homem triunfante que conduz todos ao Reino misericordioso do Pai.  Realidade consoladora e confortante, que leva o Apóstolo Pedro a exclamar: “Rabi, é bom estarmos aqui”. Experiência de união mística com Deus, que leva S. Gregório Palamas a exclamar: “Se o corpo deve tomar parte, com a alma, dos bens inefáveis no século futuro, é certo que também deles deve participar, na medida do possível, desde já”. São as primícias da manifestação final, quando Deus será tudo em todos. Graças à misericórdia divina, os corpos dos bem-aventurados, na medida de sua fé e de suas obras, de sua esperança e de sua caridade, tornar-se-ão semelhantes ao corpo glorioso do Senhor.  

          Portando, a Transfiguração impele-nos a buscar Jesus, com fé e reverência. No alto do monte Tabor, voltando-se para nós, ele engalana-se de luz e prenuncia nosso estado glorioso no céu, onde o brilho da alma, na comunhão com Deus, tornará nossos corpos ressuscitados “gloriosos”, livres dos incômodos terrestres e participantes da glória de Deus. Então, realizam-se as palavras do Apóstolo: “Cristo em vós, esperança da Glória” (Col 1,27).

 

Dom Fernando Antônio Figueiredo, OFM

Comentários

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Reflexão do Evangelho - Lc 21, 5-19 - A ruína de Jerusalém e o fim dos tempos - Terça-feira 25 de Novembro e Quarta-feira 26 de Novembro