Reflexão do Evangelho do dia 02 de Agosto de 2013


Sexta-feira – 02 de agosto

Mt 13, 54-58: Jesus em Nazaré

         

          Jesus encontra-se na sinagoga de sua cidade. Os habitantes de Nazaré estão atentos às suas palavras, pois muitos tinham ouvido falar de seus ensinamentos e dos milagres realizados por ele. Jesus perscruta os corações e, percebendo a incredulidade enraizada no coração de seus ouvintes, volve os olhos para eles, no desejo de tocá-los e levá-los à conversão. Diante da resistência recalcitrante de seus ouvintes, ele eleva sua voz e, em tom mais severo, declara que nenhum profeta é ouvido em sua própria terra, nem é reconhecido pelos seus parentes. Palavras chocantes. Os gentios, pelo contrário, demonstram mais fé em Deus do que os escolhidos de Israel. Para exemplificar, ele cita Elias, que foi enviado a uma viúva, em Sarepta, na região da Sidônia, enquanto tantas outras viúvas viviam em Israel; também recorda que, no tempo do profeta Eliseu, “havia muitos leprosos em Israel, todavia, nenhum deles foi curado, a não ser o sírio Naamã”. Suas palavras os deixam atônitos e lhes parecem ofensivas, pois, naquela época, os judeus julgavam os gentios, isto é, os estrangeiros como pessoas distantes de Deus e, por conseguinte, excluídas da Aliança divina. O Evangelista relata que “diante destas palavras, todos na sinagoga se enfureceram”.

Mas Jesus não se intimida. Pelo contrário. Refletindo indignação, ele os declara cegos perante a misericórdia de Deus e de seu plano de salvação para todos os povos. Com efeito, considera Orígenes, “ele acabara de ler uma profecia sobre a salvação realizada pelo Messias. Salvação que irrompia agora no mundo através do seu ministério. Era o ano da graça e do perdão do Senhor”. Ao rejeitá-lo, a população leva-o a não realizar milagres, conforme comenta S. Ambrósio, “para não pensarmos que sejamos constrangidos pelo amor à pátria. Na realidade, aquele que amava todos os homens não podia deixar de amar os seus concidadãos, mas eles mesmos, comportando-se de modo invejoso, renunciaram o amor à pátria”.  Então, exclama S. Cirilo de Alexandria, “Jesus reporta-se aos pagãos, que o acolheriam e seriam curados de sua lepra”.

 

Dom Fernando Antônio Figueiredo, OFM

Comentários

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Reflexão do Evangelho - Lc 21, 5-19 - A ruína de Jerusalém e o fim dos tempos - Terça-feira 25 de Novembro e Quarta-feira 26 de Novembro