Reflexão do Evangelho do dia 09 de Agosto de 2013


Sexta-feira – 09 de agosto

Mt 16, 24-28: Condições para seguir Jesus

         

Diz Jesus aos seus discípulos: “Se alguém quer vir após mim, negue-se a si mesmo, tome a sua cruz e siga-me”. Nas palavras de Jesus, há doçura e respeito à liberdade de cada pessoa. Salienta S. João Crisóstomo: “Ele não força, não constringe, mas torna cada um senhor da sua livre escolha”. Embora haja os que se opõem à reconciliação e estabelecem um conflito entre o reino de Deus e o reino das trevas, ele veio para resgatar, na misericórdia e no amor, os corações despedaçados e a humanidade pecadora. Por isso, faz-se necessário escolher, de modo claro e firme, pois “quem quer salvar a vida, vai perdê-la, mas o que perder a sua vida por causa de mim vai encontrá-la”. Escreve S. João Crisóstomo: “A vida obtida de modo indevido torna-se perdição. Pior ainda. Não há nada que a possa resgatar. Que vantagem lhe advém, mesmo ganhando o mundo, se perde a sua alma?” O sacrifício de Abraão e, mais tarde, o martírio dos Apóstolos serão um exemplo forte da necessidade de escolher para se tornar digno do Senhor e, assim, estabelecer a vitória contra o reino das trevas, que deseja desviar-nos do bem para o mal, da verdade para a decepção, da luz para as trevas, da vida para a morte. Nesta batalha espiritual, não há meio termo. Não se pode deixar de escolher.

       Se as exigências são grandes, elas, porém, enraízam-se, no dizer de S. Paulo, na grandeza mesma da missão conferida ao cristão, chamado a transcender a si mesmo, graças à força interior do amor, dom inefável, com o qual ele ama a Deus e quer bem a seus semelhantes. Por ser participação do próprio amor de Deus, esse amor dilata o coração humano, tornando-o disponível e levando-o a compreender as palavras de Jesus: “Eu vim não para ser servido, mas para servir”. E, assim, o menor serviço, feito em benefício do próximo, adquire um valor incomensurável.

Justamente por essa razão, os santos Padres não compreendem a renúncia como uma realidade negativa, mas como caminho para o homem encontrar-se consigo mesmo, colocando-se na prática do bem e no crescimento de sua entrega livre à misericórdia divina. Portanto, para o seguidor do Senhor, a renúncia não é negação, mas reconstrução de sua vida no amor a Deus e na liberdade fraterna Ela é a estrutura e a dinâmica da liberdade e da vida humana em Cristo.                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                               

Comentários

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Reflexão do Evangelho - Lc 21, 5-19 - A ruína de Jerusalém e o fim dos tempos - Terça-feira 25 de Novembro e Quarta-feira 26 de Novembro