Reflexão do Evangelho do dia 04 de Setembro de 2013


Quarta-feira – 04 de setembro

Lc 4, 38-44: A cura da sogra de Pedro

 

          Estando a sogra do Apóstolo São Pedro doente, Jesus entra em sua casa e dela se aproxima. Tomando-a pela mão, ele a levanta da cama. O toque de Jesus faz a febre desaparecer. São Jerônimo roga por todos nós: “Que o Senhor toque também nossa mão, para que sejam purificadas nossas obras, que Ele entre em nossa casa, para que nos levantemos para servir”. De fato, o Evangelho destaca que ao entardecer, a sogra de Pedro, já curada, servia-os.

Com essa passagem de sua vida, Jesus nos convida a estender nossa mão àquele que está caído para levantá-lo e transmitir-lhe novo ânimo no encontro com a Palavra do Senhor. Façamos o mesmo com os que estão angustiados ou acorrentados às realidades materiais. A todos comuniquemos a Boa-Nova do Evangelho, para que todos possam receber, pelo sacramento da confissão e, especialmente, pela Eucaristia, “o fogo do amor divino na sua alma e no seu corpo”, como descreve Santo Ambrósio. Mesmo caído, quem se deixa tocar pelo amor de Jesus vai se erguer e estará pronto a servir o pão da misericórdia e da bondade aos seus semelhantes.

Com a cura da sogra de Simão Pedro, o milagre de Jesus correu de boca em boca. Os vizinhos e habitantes da cidade “levaram-lhe todos os enfermos e possessos do demônio”, como relata São Marcos (1,32). Impondo as mãos sobre cada um, Jesus os curou e os libertou dos espíritos imundos. O amor de Jesus é inesgotável e vem desse amor Sua divina capacidade de atender às súplicas de todos. O que nos faz pensar nas palavras de São Máximo: “Quanto mais eficaz aquele que cura, tanto mais importuno se torna o sofredor”.

Ao raiar do dia, como era Seu costume, Jesus saiu e foi para um lugar solitário, pondo-se em oração. Em várias passagens do Novo Testamento, encontramos Jesus em oração durante horas e, até mesmo, ao longo de noites em claro. Nasce em nós a inquieta interrogação: podemos abandonar a oração? O exemplo de Jesus desperta em nós um forte apelo à conversão, que nos leva à convicção de que só teremos uma relação pessoal com o Deus vivo se formos pessoas de oração.

Não devemos nos assustar com isso. Ao contrário, deixemos que nos alimente a certeza de que o Senhor existe e nos ama. Não estamos sós, perdidos ou abandonados diante do nada ou da incerteza. Graças à oração, reconhecemos que existe o Outro, nosso Deus, ao qual nos achegamos e, unidos a Jesus, com Ele mantemos profunda intimidade.

          Santo Agostinho lembra-nos que a oração não tende a atrair Deus para nós, pois “Ele é mais íntimo a nós que nós a nós mesmos”. A oração permite apenas nos aproximarmos dele e, pelo diálogo, tomarmos consciência da sua proximidade. Deixemos ressoar em nós as palavras de São Macário: “Senhor tudo está em Ti, eu mesmo estou em Ti, acolhe-me!”.

 

Dom Fernando Antônio Figueiredo, OFM

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Reflexão do Evangelho - Lc 21, 5-19 - A ruína de Jerusalém e o fim dos tempos - Terça-feira 25 de Novembro e Quarta-feira 26 de Novembro