Reflexão de Evangelho de terça-feira 27 de setembro





Reflexão de Evangelho de terça-feira 27 de setembro
Lc 9,51- 56 – Jesus não é acolhido pelos samaritanos


A caminho de Jerusalém, embora judeus e samaritanos estivessem divididos por séculos de história, Jesus decide passar pela Samaria, território que ficava entre a Galileia e a Judeia. Apesar de ter enviado mensageiros à sua frente, a fim de prepará-los para a sua visita, Ele e seus discípulos não são bem recebidos, o que deixa indignados os Apóstolos Tiago e João. Após repreendê-los, Jesus procura fazê-los compreender o que o aguardava em Jerusalém: lá, Ele seria crucificado e entregaria sua vida pela redenção dos judeus, samaritanos e gentios; todos seriam reconciliados com Deus, e se tornariam um só povo.
Em sua sabedoria, Jesus se mantém em silêncio e continua o seu caminho, impressionando a todos pelo seu modo compassivo e misericordioso, para com os fracos e pecadores, e acolhendo judeus e estrangeiros: nele, todos se tornam uma nova criatura e constituem uma única comunidade. Anunciando a vontade do Pai como máxima comum aos indivíduos e à comunidade, Ele restaura a unidade, querida por Deus e perdida pelo pecado. É o Deus da História, imprevisível e inefável, que vive, não “no repouso celeste”, mas como aquele que desperta o amor e a adoração do ser humano, criado à sua imagem e semelhança.
Essa universalidade de Jesus, que reúne a todos, tem suas raízes no seu ser humano, graças ao qual se tem acesso ao Pai: trata-se da definitiva revelação de Deus, pois, na finitude de sua humanidade, Jesus é presença salvadora de Deus para o homem, no sentido decisivo de sua vida. Em linguagem de fé, professamos que Ele é a inalienável união com o Pai, ou, nas palavras de S. Atanásio: “Nele, Deus se fez homem para que o homem se tornasse Deus”. Como se infere, ao longo de sua vida e de sua missão, Jesus manifesta o sentido decisivo de nossa existência: revela-nos a realidade do “ser homem”, em seu existir para os outros, referência essencial para os que estão em busca de sua autêntica humanidade. Em sua misericórdia e bondade, somos levados a superar a nós mesmos no amor, e encontramos a salvação definitiva.

Dom Fernando Antônio Figueiredo, OFM

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Reflexão do Evangelho - Lc 21, 5-19 - A ruína de Jerusalém e o fim dos tempos - Terça-feira 25 de Novembro e Quarta-feira 26 de Novembro