Reflexão do Evangelho de quarta-feira 14 de setembro





Reflexão do Evangelho de quarta-feira 14 de setembro
Jo 3, 13-17 - Exaltação da Santa Cruz - Jesus, vida e luz
   
    De noite, para evitar a ironia de seus colegas fariseus, Nicodemos vai ao encontro de Jesus, que lhe diz: “Quem não nasce ‘de novo’, ou ‘do alto’, não pode entrar no Reino de Deus”. Com estas palavras, Jesus indica-lhe a necessidade de uma mudança total no seu modo de pensar e agir; não se pode deixar dominar pela realidade material, sem qualquer referência a Deus, pois quem nasce da carne e nela permanece enclausura-se, no dizer dos monges do deserto, no egoísmo, na ganância e na cobiça. Por outro lado, quem acolhe Jesus nasce do alto, “nasce do Espírito e é espírito”.  
    De imediato, Nicodemos não compreende o sentido de suas palavras. Mas ao ouvir Jesus se denominar Filho do Homem e que haveria de ser levantado, como “Moisés levantou a serpente no deserto”, ele começa a entrever o que lhe é sugerido: dirigir-se ao deserto, ou seja, afastar-se de seus esquemas individualistas e tornar-se nômade de Deus. Pois para se chegar ao verdadeiro conhecimento de Deus é preciso, segundo o Mestre, saber ouvir a voz do vento, “que sopra onde quer, você ouve o seu ruído, mas não sabe de onde vem, nem para onde vai”. Por conseguinte, nascer “do alto” é viver segundo o Espírito, que comporta viver a liberdade, pois “onde está o Espírito aí está a liberdade” (2Cor 3,17).    
Mas por que o Filho do Homem devia ser elevado na cruz? Exatamente, porque sua cruz é presença do amor, força capaz de destruir, pela livre doação de sua vida ao Pai, o muro de separação entre Deus e o homem, entre céu e terra, e dos homens entre si. Em outras palavras, viver segundo o Espírito, nascer do alto, se contrapõe a viver segundo a Lei, que escraviza com “cargas pesadas, postas nas costas do povo”. Então, assim como Paulo, Nicodemos reconhece que Jesus é um “dom” de Deus; segui-lo é saber-se amado por Deus e é responder ao amor com amor, fruto não do esforço humano, mas da graça divina: “A lei que condena, dirá S. Cirilo de Alexandria, se transformou em graça que justifica”. Por fim, as palavras “nascer do alto”, que lhe pareciam tão incompreensíveis, adquirem sentido e passam a significar: liberdade interior; liberdade não filosófica ou política, mas liberdade diante da Lei e das múltiplas determinações casuísticas estabelecidas por eles, doutores da Lei, pelos escribas e fariseus. A propósito, dirá Berdjaev: “A religião de Cristo é religião da liberdade e do amor”.
Iluminado pela fé, os olhos do seu coração se abrem e ele contempla a face humana de Deus, que o acolhe em sua misericórdia para um novo começo, um novo início, uma nova esperança. A paz o envolve, a cruz não mais o escandaliza; torna-se causa do “enaltecimento” de Jesus, em quem ele se sente incluído como filho amado do Pai celestial. Por fim, o diálogo com Jesus torna-se ressonância do êxodo, caminho para a Terra Prometida, na qual Nicodemos foi introduzido para participar da “liberdade dos filhos de Deus”.

Dom Fernando Antônio Figueiredo, OFM

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Reflexão do Evangelho - Lc 21, 5-19 - A ruína de Jerusalém e o fim dos tempos - Terça-feira 25 de Novembro e Quarta-feira 26 de Novembro