Reflexão do Evangelho domingo 04 de setembro





Reflexão do Evangelho domingo 04 de setembro
Lc 14, 25-33 - Renunciar ao que temos de mais caro
   
Multidões, movidas pelo desejo de unidade e de amor, seguem Jesus de perto. Mas só após algum tempo, muitos de seus ouvintes começam a compreender que a estrada que conduz ao Reino passa pela renúncia, não do que são, mas daquilo no que se converteram, por não corresponderem à imagem de Deus impressa neles. Seguir Jesus é nascer do alto; é transformar sua vida num dom para os outros. Em outras palavras, seguir Jesus é estar pronto a se colocar totalmente a serviço de seus semelhantes, pois o próprio Senhor diz: “Se alguém vem a mim e não odeia pai e mãe, mulher, filhos, irmãos, irmãs e até a própria vida, não pode ser meu discípulo”.
Suas palavras são fortes e provocadoras. Observa S. Basílio Magno: “Falando desse modo, Jesus não deseja despertar em nossos corações tramas e insídias, mas conduzir-nos à virtude da piedade e a rejeitar a voz dos que procuram desviar-nos dos ensinamentos divinos”. Neste contexto, o verbo odiar significa “ter em menos conta”, e, segundo um modo de falar semítico, ele realça a recomendação dada pelo Senhor aos discípulos, para que não atribuam às realidades do mundo um valor supremo, mas enamorem-se do bem, da verdade e da luz. Então, a renúncia revela seu sentido espiritual construtivo, aliás, a mensagem de Jesus tem sempre uma orientação positiva, diante do amor misericordioso do Pai, que deseja vida, paz e felicidade para a humanidade. Aquele que o segue, renascido e purificado, amará profunda e santamente, seus pais, filhos, parentes e até seus inimigos.
O “Instante” de Jesus era o grande sinal de uma nova realidade: a transposição da instituição terrestre de Israel a um plano de realidade espiritual, o tempo novo, previsto pelos profetas. Se sua pregação provoca a adesão de muitos, muitos outros a recusam, pois não se dispõem a passar pela vitória sobre si mesmo e a se colocarem num serviço, livre e despretensioso, a Deus e aos irmãos. Os que acolhem a sua Palavra se abrem para um mundo novo e atendem à sua incondicional exigência de uma mudança (metanoia) em seu próprio modo de pensar e de viver: eles confiam na pessoa de Jesus, que lhes concede o perdão e a comunhão salutar com o Pai.

Dom Fernando Antônio Figueiredo, OFM

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Reflexão do Evangelho - Lc 21, 5-19 - A ruína de Jerusalém e o fim dos tempos - Terça-feira 25 de Novembro e Quarta-feira 26 de Novembro