Reflexão do Evangelho de Quarta-feira – 06 de Novembro


Reflexão do Evangelho de Quarta-feira – 06 de Novembro

Lc 14, 25-33: Renunciar ao que temos de mais caro

        

         As multidões, movidas pelo desejo de unidade e de amor, vão aonde quer que Jesus esteja. E muitos, pouco a pouco, compreendem que segui-lo significa ser regenerado na fé e, nascido do alto, ter uma vida nova na experiência de Deus. Segui-lo é mais do que caminhar com o Mestre, entregando-se aos seus ensinamentos. Não é só algo exterior, mas muito mais interior, segundo as condições estipuladas pelo próprio Senhor. Diz Ele: “Se alguém vem a mim e não odeia pai e mãe, mulher, filhos, irmãos, irmãs e até a própria vida, não pode ser meu discípulo”.

         Não nos assustemos com tais palavras, pois elas não visam aplacar “a cólera” de Deus ou satisfazer a justiça divina. Elas expressam a exortação do Senhor para que os discípulos renunciem às atividades seguidas até então e ofereçam a Deus um sacrifício de louvor e de santificação. São Basílio observa que “ao falar do ódio, Jesus não deseja despertar em nossos corações tramas e insídias, mas quer conduzir-nos à virtude da piedade e a rejeitar a voz dos que nos desejam desviar dos ensinamentos divinos”.  

         O verbo odiar adquire, assim, o sentido de “ter menos em conta”, o que realça o enfático apelo de Jesus: existir inteiramente para Deus, descerrando os olhos do seu coração e abrindo-os à contemplação das belezas divinas. Portanto, o Senhor de um modo bastante direto quer que o discípulo não considere como valor supremo de sua vida as realidades do mundo, quaisquer que elas sejam, mas que ele se enamore do bem, da verdade e da luz, abandonando o mal, a mentira e as trevas. Então, guiado pela verdade e penetrado pelo amor divino, ele se confia à palavra de Deus para amar, em profundidade e santamente, seus parentes e familiares, seus irmãos e semelhantes.

        Do coração do discípulo brota um autêntico hino de louvor à liberdade, transportando-o ao coração amoroso de Jesus, que lhe transmite o poder de amar a todos, não só seus familiares, mas até seus próprios inimigos. As exigências apresentadas unem-se à infinita misericórdia de Jesus, que, de modo enfático, une o discípulo ao seu martírio na cruz com as palavras: “Quem não carregar a sua cruz, quem não renunciar a si mesmo, não pode ser meu discípulo”. Portanto, no seguimento de Jesus e unido ao seu sacrifício pela salvação da humanidade, o discípulo coloca sua vida, generosa e despretensiosamente, a serviço de Deus e dos irmãos.  

 

Dom Fernando Antônio Figueiredo, OFM

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Reflexão do Evangelho - Lc 21, 5-19 - A ruína de Jerusalém e o fim dos tempos - Terça-feira 25 de Novembro e Quarta-feira 26 de Novembro