Reflexão do Evangelho de Terça-feira – 05 de Novembro


Reflexão do Evangelho de Terça-feira – 05 de Novembro

Lc 14, 15-24: Convidados recusam o banquete

        

         Uma das mais belas imagens do céu nas Escrituras é o banquete ou a celebração das bodas dada pelo rei em honra de seu filho. Mas para participar dele há uma condição, a de ser livre diante dos bens materiais. É o que se deduz da resposta dada pelos convidados ao banquete, como atesta S. Cirilo de Alexandria: “Eles desdenharam o convite, porque estavam voltados para as coisas terrenas e tinham concentrado sua mente nas vãs distrações deste mundo”. Uns tem bois e mulheres, campos e outros afazeres que os impedem de ouvir o apelo do Senhor, cujo desejo é de que todos tenham disposição de espírito, abertura de coração e liberdade interior, expressos no desapego ou na pobreza em espírito. Os que estão presos aos seus bens e preocupações não participam da festa, ou como diz S. Agostinho, “os primeiros convidados foram reprovados devido a suas escusas. Por isso, venham os mendigos, já que quem convida é aquele que sendo rico se fez pobre por nós, para que os mendigos nos enriqueçam com a sua pobreza”.

         Na parábola contada por Jesus, dois elementos se destacam. O primeiro refere-se aos convidados originais para a festa, aos quais foram enviados convites com muita antecedência, com tempo suficiente para se prepararem. Torna-se assim justificável o desagrado do rei diante da recusa dos convidados, que, claramente, negavam dar-lhe a honra que lhe era devida.  Há nesta passagem uma alusão à atitude dos judeus, criticada por Jesus, embora transpareça no texto seu desejo de que, também eles, participem da alegria do Reino.   

O segundo elemento da parábola refere-se aos que, posteriormente, foram conduzidos ao banquete: maus e bons, pecadores e estrangeiros, recolhidos ao longo das estradas. Fruto da graça divina, o convite é para todos. No entanto, ele não deixa de ser um alerta tanto para os que o recusaram como para os que, aceitando-o, se aproximaram indignamente da festa. Se a graça é um dom gratuito, ela exige o compromisso de ter o coração aberto para Deus e de viver segundo sua Palavra. Atitude emblemática que coloca os discípulos a serviço de Deus e dos homens, a exemplo de Cristo que “sendo rico se fez pobre por nosso amor” (S. Paulo). Só então eles terão acesso ao banquete celestial.

 

Dom Fernando Antônio Figueiredo, OFM

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Reflexão do Evangelho - Lc 21, 5-19 - A ruína de Jerusalém e o fim dos tempos - Terça-feira 25 de Novembro e Quarta-feira 26 de Novembro