Reflexão do Evangelho de Jo 20, 19-23 - Aparição aos Apóstolos (Pentecostes) - Domingo 08 de Junho

Reflexão do Evangelho de Jo 20, 19-23 - Aparição aos Apóstolos (Pentecostes)
Domingo 08 de Junho
                                                
         O sol já descambava, quando Jesus, no primeiro dia da semana, aparece aos discípulos. Encontro inesperado. Por temor, as portas estavam fechadas e, de repente, eles ouvem uma voz conhecida e muito amada: “A paz esteja convosco! ” Jesus põe-se no meio deles, mostrando-lhes as chagas de suas mãos e do seu lado. Era o Mestre e eles podiam tocá-lo, dissipando o temor e a dúvida de que não fosse realmente Ele. Os Apóstolos então exultaram com a sua presença, pois para eles começava um tempo novo, em que deveriam anunciar a vitória sobre as trevas do pecado e do mal. Realizam-se as promessas, e a esperança, aninhada em seus corações, não foi frustrada, ela se abre ao dom da vida nova. Delineia-se um itinerário de fé, pois chegou o momento de eles se colocarem a serviço de seus semelhantes. O sopro dessa nova vida toca todos os que nele creem e esperam a partir de sua morte e ressurreição.
         É o mistério pascal, em que o ressuscitado age através deles, após conceder-lhes o Espírito: “Recebei o Espírito Santo”. Uma certeza lhes é dada: o amor é mais forte que a morte e a prática do bem é a força que impulsiona a história humana. Não há mais espaço para uma vida tacanha e egoísta, sem ideal. As palavras do Mestre os consolam e lhes conferem responsabilidade: “Aqueles a quem perdoardes os pecados lhes serão perdoados; aqueles aos quais não perdoardes lhes serão retidos”. Realizam-se as promessas anunciadas por Jesus: “Tende coragem, eu venci o mundo”.
 Mas dali em diante, os Apóstolos teriam uma missão para realizar: levar o perdão e a paz a todos os corações, prolongando a missão de Cristo, que veio para tirar o pecado do mundo. À salvação eterna está definitivamente ligada a história humana. Inicia-se o tempo da Igreja e o Mestre estaria ao alcance daqueles que fossem ao seu encontro com confiança.  O Evangelista S. João é o único que não fala apenas de “mãos e pés” transpassados, mas de “mão e lado aberto”, do qual jorra água e sangue, alusão à fonte da vida, que é o Espírito Santo, que Ele soprou sobre eles. Com S. Irineu, pode-se dizer “onde está a Igreja, está o Espírito, onde está o Espírito, está a Igreja”. Assim, o Ressuscitado é presença radiosa e fonte da ação do Espírito divino, que Ele comunica aos homens para torná-los participantes da natureza divina, transmitindo-lhes o fogo do amor de Deus, que “faz resplandecer misteriosamente em suas almas a natureza una da Trindade”.  


Dom Fernando Antônio Figueiredo, OFM

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Reflexão do Evangelho - Lc 21, 5-19 - A ruína de Jerusalém e o fim dos tempos - Terça-feira 25 de Novembro e Quarta-feira 26 de Novembro