Reflexão do Evangelho de Mt 7, 1-5 - Não julgueis para não serdes julgados - Segunda-feira 23 de Junho

Reflexão do Evangelho de Mt 7, 1-5 - Não julgueis para não serdes julgados
Segunda-feira 23 de Junho
        
           Muitos mestres em Israel pronunciaram-se contra o julgamento desfavorável do próximo, ato pelo qual lhe seria negada a salvação. Hilel recomenda: “Não julgues o teu próximo, enquanto não estiveres em seu lugar”. Nesse mesmo sentido, Jesus exorta seus discípulos: “Não julgueis para não serdes julgados”. A expressão evangélica “não julgueis” não se refere propriamente a um julgamento de valor; não indica se um ato é bom ou mal. Situa-se no nível espiritual para expressar um julgamento de alcance sobrenatural. Por isso, Jesus acrescenta imediatamente: “para não serdes julgados”, em que o verbo é um “passivo divino” e indica que o sujeito da ação é Deus e que a perspectiva aponta para o futuro. Em outras palavras, cada um de nós possui um espírito crítico, mas não nos pertence o direito de emitir um julgamento em nível eterno. Nenhuma criatura humana pode determinar a salvação ou não de alguém.
         Com tais palavras, Jesus quer simplesmente estimular o discípulo a crescer no amor fraterno e aprender a perdoar, para não fazer como aquele homem que recebe o perdão de uma dívida enorme e não é capaz de perdoar o pouco que o seu amigo lhe devia. Há um dito rabínico muito apropriado: “Quem julga seu vizinho favoravelmente, será favoravelmente julgado por Deus”. De fato, se é fácil, por um lado, levantar um preconceito, por outro lado, difícil é julgar de modo imparcial. O julgamento espiritual, que leva em conta, sobretudo, o interior e as intenções alimentadas no coração da pessoa, é geralmente “desfocado”. Não se consegue desvendar o interior do outro, nem se tem acesso às suas intenções e aos fatores interiores e mesmo exteriores que determinam a sua ação.
 Portanto, permanece o lema diário de “pensar sempre o melhor do outro” para “não serdes julgados, adverte Jesus, porque com o mesmo julgamento com que julgais, sereis julgados, e com a mesma medida com que medis, sereis medidos”. O essencial é crescer no amor a Deus e ao próximo, sem excluir a exigência da correção fraterna. Por conseguinte, perdura o dever da advertência, compreendida como expressão do amor devido a quem se repreende. É exatamente o modo como Deus age em relação a nós. S. Agostinho escreve: “Alguém pecou por cólera, e tu o repreendes com ódio. Há grande diferença entre cólera e ódio, assim como entre um cisco e uma trave. Pois o ódio é a cólera entranhada: com o tempo, ele adquire tanta força que de cisco poderá se transformar em trave. Se tu só te irritas, tu podes ter a boa vontade de corrigir o culpado; mas se tu o odeias, tu não podes querer sua emenda. Lança para longe de ti teu ódio: e então, este homem que tu amas, tu poderás corrigir”.


Dom Fernando Antônio Figueiredo, OFM

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Reflexão do Evangelho - Lc 21, 5-19 - A ruína de Jerusalém e o fim dos tempos - Terça-feira 25 de Novembro e Quarta-feira 26 de Novembro