Reflexão do Evangelho de Mt 5, 20-29 - A nova justiça é superior à antiga - Quinta-feira - 12 de Junho

Reflexão do Evangelho de Mt 5, 20-29 - A nova justiça é superior à antiga
Quinta-feira - 12 de Junho

Na cultura da época, a punição era dura e por vezes mais pesada do que a infração. Jesus situa-se em outra ordem e estabelece princípios, que inspirem os filhos de Deus a vencer o mal pelo bem e amar os próprios inimigos. Às proibições, Jesus antepõe a virtude do amor fraterno. Por isso, de modo enfático, Ele proclama: “Não matarás, aquele que matar terá de responder em juízo”. Para o Senhor, é impensável tirar, de modo voluntário, a vida de alguém, primariamente, pelo fato de ele estar agindo contra o próprio Deus, “à imagem e semelhança do qual” todo ser humano foi criado. S. Gregório de Nissa dirá que o ser humano é “imagem viva de Deus”, não apenas enquanto ser espiritual, mas também em seu ser corpóreo. No seu todo, como ser único e indiviso, ele é um retrato de Deus, de modo que, através de sua grandeza e dignidade, refletida de modo pleno em Jesus Cristo, pode-se entrever a face humana de Deus. Criado por Deus, o homem é conduzido, por uma ação paciente e constante, a assemelhar-se Àquele à imagem do qual ele foi criado, isto é, o Verbo encarnado, Jesus Cristo, nas palavras de S. Irineu. O homem, então, é impelido a elevar o seu pensar e o seu agir à beleza e à harmonia do mistério da vida, cuja grandeza está em assumir a responsabilidade e o verdadeiro amor a si e ao próximo.
         Consequentemente, o ato de matar não é um ato contra a dignidade da pessoa humana. Quem mata é movido pelo desejo de “apoderar-se do que é de Deus, sem Deus”, destruindo a fraternidade humana, realidade valiosa, porta de entrada da graça divina. Quem o faz, abala as bases da vida humana em sociedade. O pecado não é exacerbado, mas é situado no plano primário de Deus, que consiste em restaurar o homem e levá-lo à comunhão fraterna. O amor, a paciência e o perdão, dons divinos, dilatam o seu coração e ele passa a compreender, em seu íntimo, que mesmo “quem se encolerizar contra o seu irmão, terá de responder em juízo” (v.22).
         Para além do crime e do castigo, o olhar de Jesus alcança a intenção oculta no coração humano, sede do pecado que, semelhante a uma semente, cresce e se desenvolve, pouco a pouco, a menos que não seja superado e destruído pela graça de Deus, fogo divino, que penetrando o seu coração purifica-o de seus vícios e estabelece a vitória do amor e da força vivificante de Deus. É o próprio Mestre que, de modo direto e compassivo, nos conduz à fonte originária da vida cristã, a caridade.
A todos, Jesus concede o antídoto contra o pecado: a misericórdia, a bondade e a paciência, nascidas de um coração pleno de amor e de perdão. O contrário, tirar a vida de alguém ou se encolerizar contra um irmão, torna-se inimaginável. S. Agostinho dirá: “Vivamos o amor e façamos o que quiser”. Pois quem ama jamais ofenderá o irmão e não deixará de corresponder às exigências do Evangelho. S. João Crisóstomo exclama: “Ó admirável bondade de Deus! Ó amor, que vai além de nossos pensamentos! Ele descuida da honra que lhe é devida, para salvar a caridade que devemos ter para com o próximo. Ele mostra que as advertências, apenas pronunciadas, não se originam da aversão e muito menos do desejo de punir, mas do imenso amor que Ele nutre pelos homens”.


Dom Fernando Antônio Figueiredo, OFM

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Reflexão do Evangelho de Mt 21, 33-43 - Parábola dos vinhateiros homicidas - Domingo 05 de Outubro

Reflexão do Evangelho de Mt 16, 24-28 - Condições para seguir Jesus - Sexta-feira 08 de Agosto

Reflexão do Evangelho de Mt 14, 13-21 - Multiplicação dos pães (primeira) - Domingo 03 de Agosto