Reflexão do Evangelho de domingo 03 de janeiro



Reflexão do Evangelho de domingo 03 de janeiro

Mt 2, 1-12 – Epifania do Senhor





       Numa pequena gruta nos arredores de Belém, não muito distante de Jerusalém, reúnem-se, em uma perspectiva “católica”, os simples e os sábios, os pobres e os ricos com sua generosidade, o povo de Israel, representado pelos pastores, e os primeiros pagãos, os reis magos. É a Epifania, epipháneia, manifestação de Jesus ao mundo. Primícias da nossa vocação e da nossa fé, exórdios do Evangelho do amor e da esperança.

Em Jerusalém, a comoção é geral. Corre a notícia da chegada de alguns príncipes estrangeiros, que pediam informações sobre um “rei dos judeus”, que acabara de nascer. Ao ouvi-los, os habitantes de Jerusalém se lembraram da promessa feita a Abraão de que seus descendentes seriam como as estrelas do céu, dos quais um seria o futuro Messias (Nm 24,17). Em Herodes, a perplexidade do povo se transforma numa profunda ansiedade, pois ele já havia matado dois dos seus filhos e estava prestes a matar o primogênito, Antípater, e agora surgia uma nova ameaça: alguém para arrebatar-lhe o poder.

Essas preocupações eram alheias aos Magos, que apenas queriam saber onde devia nascer o anunciado pela estrela. Herodes, após receber a resposta oficial dos sacerdotes e escribas, envia os Magos a Belém, pátria de Davi, pedindo-lhes que mandassem informações precisas sobre o local do seu nascimento. Mergulhado em seus pensamentos, ele arquitetava a morte do suposto Messias, ao qual prometia prestar o devido culto.

 Desde o momento em que os Magos partiram de Jerusalém, “eis que a estrela que tinham visto no Oriente ia à frente deles até que parou sobre o lugar onde se encontrava o menino”. S. Inácio de Antioquia exclama: “Todos os astros, juntamente com o sol e a luz, formaram coro em torno do astro, e ele projetou sua luz mais do que todos”. Ao verem o Menino com Maria, sua mãe, os Magos se prostram diante dele em adoração, conforme costume oriental, e lhe oferecem presentes. S. Leão Magno diz que “do tesouro do seu espírito tira o ouro, aquele que reconhece o Cristo como rei de toda criatura; oferece a mirra, aquele que crê que o Filho único de Deus assumiu nossa natureza humana; e exprime sua reverência oferecendo o incenso, aquele que o confessa igual ao Pai, em tudo, absolutamente”. Depois de prestarem homenagem ao Menino, alegres e agradecidos, eles retornam à sua pátria, levando no coração as mais belas esperanças.

Respeitando reverentemente os testemunhos bíblicos, que falam da santa humanidade de Jesus, nós o reconhecemos como Deus, eternamente Deus, que vem a nós para nos comunicar a sublimidade do amor e a infinita beleza da verdade.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Reflexão do Evangelho - Lc 21, 5-19 - A ruína de Jerusalém e o fim dos tempos - Terça-feira 25 de Novembro e Quarta-feira 26 de Novembro