Reflexão do Evangelho de domingo 24 de janeiro



Reflexão do Evangelho de domingo 24 de janeiro
Lc 1,1-4; 4,14-21 - Jesus em Nazaré, início de sua pregação


No deserto, Jesus se recusa a fazer milagres em proveito próprio, sem beneficiar alguém, para legitimar a sua missão; rejeita-os como tentação do demônio. Impulsionado pelo Espírito, Ele é conduzido à Galileia, e sua fama espalhou-se por toda a região. Ele percorre aquelas pequenas cidades que se estendem em volta do lago de Genesaré, ensinando nas sinagogas e curando os enfermos. “E era louvado por todos”.
A atuação pública de Jesus inicia-se com sua visita à sinagoga de Nazaré, em que lhe é entregue para ler um trecho do profeta Isaías, que anunciava o Messias-profeta dos últimos tempos. Todos estão atentos à sua pregação, e ficam bastante surpresos ao ouvi-lo dizer que a profecia de Isaías estava se realizando “aqui e agora”. Obviamente, essa declaração de Ele ser a presença da força eficaz e renovadora de Deus, o novo Moisés, que iria conduzir o povo à terra prometida do Reino de Deus, assusta e logo surge a pergunta: “Não é este o filho de José? ”. Ele, porém, prossegue o seu caminho.
“O ungido com o Espírito Santo”, Jesus, anuncia o Evangelho, a boa notícia do amor e da misericórdia, mas também a sua realização, libertando os cativos e oprimidos; restituindo aos cegos, a luz; proclamando um ano da graça do Senhor, ou seja, a sua permanência salvadora no mundo. Nesse sentido, por ser portador permanente do Espírito divino, dirá S. Irineu: “Ele nos salva e nos torna participantes da superabundância dessa unção”.
 Como o Espírito Santo está unido ao Filho por toda a eternidade, e Ele é a unção messiânica do Filho, que se fez carne, assim também Ele está unido à Igreja, seu corpo eclesial. Numa visão ampla, comenta S. Irineu: “O Espírito desceu sobre o Filho de Deus, que se tornou Filho do homem, acostumando-se, juntamente com Ele, a habitar no gênero humano, a permanecer em meio aos homens”. Por conseguinte, ao aceitarmos essa dádiva divina, o Espírito Santo, somos introduzidos no coração da Trindade, pois, no dizer de S. Atanásio, “Deus se fez portador da carne, para que o homem pudesse tornar-se portador do Espírito”.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Reflexão do Evangelho de Lc 13, 31-35 - Herodes, uma raposa - Quinta-feira 30 de Outubro