Reflexão do Evangelho de segunda-feira 01 de fevereiro



Reflexão do Evangelho de segunda-feira 01 de fevereiro
Mc 5,1-20 – A cura do endemoninhado gadareno
      

       Nos evangelhos, os milagres e expulsões de demônios não são vistos dentro da perspectiva de estar ou não rompendo as leis da natureza, mas como intervenções não habituais de Deus, que causam assombro ou admiração. Daí não se encontrar nos evangelhos a palavra grega “milagre” (thaumai), mas sim o fato de o povo ficar assombrado ou admirado (thamadzein) com as ações de Jesus, que age como Deus fizera na história de Israel.
Jesus vai à Decápole, situada do outro lado do mar da Galileia, numa das cidades habitadas por gregos, sob a jurisdição da província da Síria. Logo que desceu do barco, aproxima-se dele um homem possuído pelo demônio, descrito como possuidor de grande força: “Ninguém podia dominá-lo, nem mesmo com correntes”. Porém para surpresa de todos, ao ver Jesus, “ele correu e prostrou-se diante dele, clamando em alta voz: ‘Que existe entre mim e ti, Jesus, Filho de Deus altíssimo? ’”. Defrontam-se o poder do mal, que produz frutos maus e dolorosos, e o poder de Deus, com atos de bondade e de misericórdia, que assombram a todos. De fato, com uma única palavra, Jesus liberta aquele homem dos poderes obscuros que o dominavam, e manifesta ao povo o caráter salvador de sua missão. Ele não só anuncia o Reino de Deus, mas o torna realidade em sua própria pessoa, fato desconcertante para os “espíritos” e também para os homens.
 S. Jerônimo, assim, descreve esse episódio: “Jesus o expulsa. É como se Ele dissesse: sai de minha casa, que fazes em minha morada? Eu desejo entrar: ‘Sai deste homem’. Sai deste homem; abandona esta morada preparada para mim. O Senhor deseja sua casa: sai deste homem”.
A cena nos remete à parábola da ação misericordiosa do Senhor, que veio atrás da “ovelha desgarrada” ou, no dizer de S. Irineu, “que veio até à profundidade da terra”. Por outro lado, a figura do demônio, pedindo para ser mandado “aos porcos, a fim de entrar neles”, denota a aversão dos judeus aos porcos e deixa entrever certos laivos de ironia: os espíritos “imundos” entrando nos imundos porcos. Após a cura, o homem permanece “sentado, vestido e em são juízo”, mas ao perceber que Jesus se retirava, faz menção de acompanhá-lo. Jesus, porém, despede-o, ordenando que ele volte para sua casa, como presença silenciosa da cura e do anúncio da misericórdia de Deus.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Reflexão do Evangelho de Lc 4, 16-30 - Jesus em Nazaré - Segunda-feira 01 de Setembro

Reflexão do Evangelho de Jo 2, 1-11 - Bodas de Caná - Domingo 12 de Outubro