Reflexão do Evangelho de quinta-feira 07 de janeiro



Reflexão do Evangelho de quinta-feira 07 de janeiro
Lc 4, 14-22 - Jesus em Nazaré – início de sua pregação
       
        No início de sua missão, sob o impulso do Espírito Santo, Jesus anuncia o reino da Verdade, em contraposição ao reino da ilusão, da falsidade e da mentira. Sua ação redentora e santificadora corresponde ao fato de Ele dar testemunho da Verdade e o ato de fé dos que o seguem supõe buscar e viver a sua mensagem. Daí, a grande importância dada nos Evangelhos ao verbo ouvir (akouein), visto como caminho seguro para se chegar à fé: “Quem ouve a minha palavra e crê em quem me enviou, tem vida eterna e não é submetido a julgamento, mas passou da morte à vida” (Jo 5,24).
        A falta de fé equivale a não ouvir a palavra de Jesus e constitui um obstáculo para obter a saúde do corpo e da alma. É o que os discípulos irão constatar justamente quando Jesus, depois de certo tempo distante de sua “pátria”, resolve voltar a Nazaré, onde tinha sido criado. Num dia de sábado, Ele encontra-se na sinagoga da cidade. A curiosidade era grande. Muitos tinham ouvido falar a respeito dos seus ensinamentos e dos milagres que tinha realizado. No momento da leitura da Bíblia, como era costume, eles colocaram o rolo de papiro diante do visitante. Jesus lê justamente um trecho do profeta Isaías:
“O Espírito do Senhor está sobre mim, porque ele me ungiu para evangelizar os pobres; enviou-me para proclamar a remissão aos presos e aos cegos a recuperação da vista, para restituir a liberdade aos oprimidos e para proclamar um ano de graça do Senhor”.
        Terminada a leitura, após enrolar o livro, voltando-se para os ouvintes, que o olhavam atentos, Jesus lhes diz: “Hoje, realizou-se essa Escritura que acabastes de ouvir”. O tempo da salvação é anunciado e introduzido por Ele, pois o Espírito divino, como uma unção profética, se manifesta em sua pregação e, não menos, nos milagres que Ele realiza: aos cativos e oprimidos, a liberdade; aos cegos, a luz; aos pobres, o Evangelho. Efetivamente, Jesus age por palavras e atos, que vão além de um benefício material; o Evangelho possui uma força especial e eminentemente escatológica, que dá acesso à Verdade, que liberta e ilumina.
Como se infere, Jesus, por ser portador permanente do Espírito divino, no dizer de S. Irineu, “nos salva e nos torna participantes da superabundância dessa unção”. E nós, num ato o mais pessoal possível, ao aceitarmos essa dádiva, somos levados por Ele ao Pai, no qual, salvos e resgatados, iremos estabelecer nossa morada eterna.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Reflexão do Evangelho de Mt 20, 1-16 - Parábola dos trabalhadores da vinha - Quarta-feira 20 de Agosto

Reflexão do Evangelho de Mt 21, 28-32 - Parábola dos dois filhos - Domingo 28 de Setembro