Reflexão do Evangelho de Domingo – 13 de Outubro


Reflexão do Evangelho de Domingo – 13 de Outubro

Lc 17, 11-19: A cura dos dez leprosos

 

         Estando a caminho de Jerusalém, dez hansenianos aproximam-se de Jesus e, supreendentemente, dão-lhe o título de Mestre, utilizado unicamente pelos que pertenciam ao círculo dos discípulos. Diante desse fato, os Santos Padres assinalam que aqueles homens não só sofriam de um mal físico, mas também de uma enfermidade espiritual. Rejeitados, sentiam-se como “ovelhas sem pastor”. Mas grande é a ternura de Jesus. Antes mesmo de eles serem curados e purificados, Jesus os envia ao Templo para se apresentarem ao sacerdote, a fim de serem reintegrados na vida da comunidade. S. Cirilo de Alexandria observa que “eles foram dar testemunho aos sacerdotes, os guias dos judeus, sempre invejosos do seu poder. De modo maravilhoso e acima de suas esperanças, eles testemunham o fato de terem sido livres da sua desgraça e sido curados pelo querer de Cristo”.

Todos são curados, mas um só retorna “glorificando a Deus em alta voz”. E este era samaritano, um estrangeiro. Ao chegar junto a Jesus, “lança-se aos seus pés”, em sinal de adoração, enquanto os outros, no dizer de S. Atanásio, “pensavam muito mais na sua cura e não em quem os tinha curado”. Mas aquele homem, que não pertencia aos filhos de Israel, voltou agradecido e, por isso mesmo, recebe muito mais do que a cura, pois o Senhor lhe diz: “Levanta-te e vai; a tua fé te curou”. Com estas palavras, Jesus designa a salvação, ou a integridade, mais que a cura física.  

         O samaritano exprime seu reconhecimento, sua gratidão, consciente de sua pequenez perante Deus. Para S. Atanásio, realizam-se as palavras do Apóstolo S. Paulo, que “exortou a todos dizendo: ‘glorificai a Deus em vosso coração’ (1Cor 6,20); e a recomendação de Isaías: ‘rendei glória a Deus’ (Is 42,12)”. Por manifestar a fé no louvor a Deus, o Senhor lhe concede força e vida nova para percorrer o caminho da purificação da mancha do pecado, do erro e da maldade.

Neste episódio, revela-se o ministério misericordioso de Jesus, que propõe aos seus discípulos a caridade, perpétua, generosa, universal. O caminho para a salvação está aberto a todos, não só aos judeus, mas também aos gentios e pecadores.

 

Dom Fernando Antônio Figueiredo, OFM

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Reflexão do Evangelho - Lc 21, 5-19 - A ruína de Jerusalém e o fim dos tempos - Terça-feira 25 de Novembro e Quarta-feira 26 de Novembro