Reflexão do Evangelho de Quinta-feira -- 17 de Outubro


Reflexão do Evangelho de Quinta-feira -- 17 de Outubro

Lc 11, 47-54: Ai de vós fariseus (III)

 

         Os fariseus cumprem a Lei com escrupulosa exatidão, indo ao extremo de pagar o “dízimo da hortelã, da arruda e de todas as hortaliças”. No entanto, negligenciam as exigências da caridade e da justiça para com os pobres e desvalidos. Exteriormente, comportam-se de modo exemplar, mas, interiormente, estão distantes e afastados do verdadeiro cumprimento da Lei dada por Deus a Moisés. De um lado um rigorismo exagerado, do outro lado descuido e omissão.

         Jesus refere-se, muitas vezes, à Lei, no desejo de que ela seja cumprida em seu verdadeiro sentido e em todas as suas exigências. Em seus lábios ressoam as palavras dos profetas apregoando o direito, a misericórdia e a fidelidade, evidenciando não ter Ele vindo para abolir a Lei, mas sim para observá-la: “Importa praticar estas coisas, mas sem omitir aquelas”. De fato, Ele urge a prática do mandamento do amor a Deus e ao próximo, descurado pelos fariseus e que os discípulos deverão viver, sem jamais desprezar as demais exigências da Lei. Para o amor convergem a Lei e as profecias.  Escreve S. Cirilo de Alexandria: “Eles descuravam, como se não houvesse importância tais deveres que são obrigatórios a todos, a justiça e o amor a Deus”. Portanto, o que move o seguidor de Jesus não é a vaidade, o desejo de vanglória e o reconhecimento dos outros, mas o cumprimento da vontade do Pai. Daí as palavras incisivas do Senhor: “Estai atentos a não fazerdes vossa justiça diante dos homens, para que vos vejam; de outro modo não tereis recompensa diante de vosso Pai, que está nos céus” (Mt 6,1).

         A seguir, Ele exclama: “Aí de vós fariseus”. Expressão que é interpretada não como sendo uma condenação, mas um apelo de Jesus à conversão ou à transformação interior do coração. Ele anseia orientá-los à realização da vontade de Deus, revelada plenamente em sua pessoa e em sua mensagem. Mas eles, por se julgarem como os únicos verdadeiros intérpretes da Lei, sentem-se ofendidos e consideram indevidas as palavras de Jesus. Rejeitam-no e tudo fazem para que o povo não acolha a sua Palavra. A propósito desse fato, Jesus fala da necessidade de purificação, entendida não como a limpeza do “copo e do prato”, mas como purificação interior. Antes de tudo, é preciso ver se o que está dentro de nós (tò entós) está ou não moralmente limpo, pois só um coração puro, livre “de rapina e de intemperança”, verá a Deus.

 

Dom Fernando Antônio Figueiredo, OFM

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Reflexão do Evangelho - Lc 21, 5-19 - A ruína de Jerusalém e o fim dos tempos - Terça-feira 25 de Novembro e Quarta-feira 26 de Novembro