Reflexão do Evangelho de Quinta-feira – 10 de Outubro


Reflexão do Evangelho de Quinta-feira – 10 de Outubro

Lc 11, 5-13 – A oração perseverante –amigo importuno

                

Na oração do Pai-Nosso, ao expressarmos o desejo de ter uma fé voltada para Deus, no cumprimento de sua santíssima vontade, estamos, igualmente, abrindo o coração aos nossos semelhantes. Por isso, não dizemos na oração dominical “meu” Pai, mas “nosso” Pai, e suplicamos “nosso” pão de cada dia. Imploramos o perdão de nossas dívidas, assim como nós perdoamos a quem nos tem ofendido. De fato, mergulhado na inefável misericórdia divina, aquele que ora abandona todo egoísmo e se abre à comunhão com os irmãos, no perdão e no amor.

Em nosso coração soa a parábola do amigo importuno, contada logo a seguir por Jesus. Tendo recebido uma visita, em horas avançadas da noite, ele nada tem para oferecer-lhe. O tema central da parábola não é o fato de ele ter recorrido ao vizinho, mas a persistência em chamá-lo, pois “mesmo que não se levante para dá-lo por ser amigo, levantar-se-á ao menos por causa da sua insistência, e lhe dará tudo aquilo de que precisa”. Insiste porque confia no amigo. Assim, também nós, confiemos no Pai, pois Deus não deixa de ouvir nossas orações e nos atende graciosamente, concedendo-nos muito além de nossas expectativas. Escreve S. João Crisóstomo: “O Senhor não só ordena pedir, mas quer que as nossas preces sejam fervorosas e perseverantes. É o sentido das palavras que se seguem: ‘buscai e achareis’, recomenda Jesus”. Deus quer o melhor para os seus filhos e deseja satisfazer a todas as suas necessidades. Ele existe e nos ama. Situado acima de todas as coisas, Ele nos acolhe e, como Pai, introduz-nos no espaço de confiança, onde a morte deixou de existir, vencida que foi, pelo Filho, no madeiro da cruz. Afastam-se do nosso coração a angústia e o medo, a inimizade e o ódio. E nós, penetrados pela inspiração do amor e atraídos pela doçura de sua misericórdia, alcançamos a serena alegria da vida em Deus. Eis o ideal tão almejado por S. Agostinho, que, referindo-se a esta passagem, comenta: “Os discípulos encontram repouso no Senhor e descanso na grande santificação, pois eles são enriquecidos, recebendo, e ele não se empobrece dando”.

A oração perseverante provoca em nós um vazio interior, atento e amoroso, na expectativa do encontro com Deus. Pois ela envolve aquele que ora na luz incriada, levando-o a percorrer, com confiança inabalável, a senda que o conduz ao alto do monte Tabor para ali participar da ação transfiguradora do Senhor.

 

Dom Fernando Antônio Figueiredo, OFM

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Reflexão do Evangelho de Mt 21, 33-43 - Parábola dos vinhateiros homicidas - Domingo 05 de Outubro

Reflexão do Evangelho de Mt 16, 24-28 - Condições para seguir Jesus - Sexta-feira 08 de Agosto

Reflexão do Evangelho de Mt 14, 13-21 - Multiplicação dos pães (primeira) - Domingo 03 de Agosto