Reflexão do Evangelho de Quarta-feira - 9 de Outubro


Reflexão do Evangelho de Quarta-feira - 9 de Outubro

Lc 11, 1-4: A oração do Pai-Nosso

        

         No tempo de Jesus, a oração formal era realizada três vezes ao dia, e os rabinos tinham uma para cada ocasião. Jesus é um homem de oração constante, mas alerta os discípulos contra todo tipo de formalismo que pudesse conferir um cunho impessoal e mecânico às preces. A propósito disso, Cromácio de Aquileia nos lembra: “Segundo as palavras do Mestre, nossa oração não é medida pela prolixidade de palavras, mas pela fé do coração e pelas obras de justiça”. São Cirilo de Alexandria também refletiu sobre o assunto: “A loquacidade era chamada de ‘battologia’, palavra proveniente do nome de um grego chamado Batto, autor de longos hinos, prolixos e cheios de repetições, em honra dos ídolos. Ao contrário, Jesus ordena orar com brevidade, sóbria e sucintamente, pois Deus conhece nossas necessidades antes mesmo que as exponhamos”.

A pedido dos Apóstolos, Jesus comunica-lhes sua prece filial, a oração do Pai Nosso. Preciosa herança, conservada pela Igreja, que a transmite, solenemente, por ocasião do batismo. Ela exorta àquele que é batizado a renovar em seu coração o santo mistério da oração do Senhor. O Apóstolo São Paulo invoca a “tradição” de dizê-la na celebração eucarística. O próprio Jesus oferece constantes exemplos e belos ensinamentos a respeito de uma vida dedicada à oração, característica essencial dos que desejam entrar no Reino dos Céus.

 A tradição não deixa de citá-la. A Didaqué, ou Doutrina dos Doze Apóstolos (de 60 a 80 d.C.), antes de transcrever o Pai Nosso, determina: “Assim orareis três vezes ao dia”. A recomendação de “entregar” esta oração aos catecúmenos, ou seja, àqueles que se preparam para ser batizados, devidamente comentada é feita por muitos Padres, entre os quais Tertuliano, São Cirilo de Jerusalém, Santo Agostinho e São Pedro Crisólogo. Ao comentar o Pai Nosso, São Cipriano, por exemplo, faz importantes recomendações, entre elas a de lembrarmos que, ao se dizer “santificado seja o vosso nome”, não estamos santificando o Senhor com nossas orações, “mas pedimos a Ele que o seu nome seja santificado em nós”.

Desejamos ser uma proclamação de fé e ter uma vida voltada para Deus, no cumprimento de sua santíssima Vontade. Deste modo, estaremos santificando o nome de Deus e abrindo o coração aos nossos semelhantes. De fato, na oração dominical não dizemos “meu” Pai, mas “nosso” Pai, e suplicamos “nosso” pão de cada dia. Imploramos o perdão de “nossas” dívidas, assim como perdoamos aos “nossos” devedores (aos que nos ofenderam). Portanto, ao rezar o Pai Nosso o discípulo de Jesus recorda que Deus o ama e, mergulhado em sua inefável misericórdia, abandona todo o egoísmo e se abre à comunhão com os irmãos, no perdão e no amor.

         Santo Agostinho considera que, assim como no Símbolo dos Apóstolos (o Credo) se professam as verdades da fé cristã, no Pai Nosso se proclama a virtude teologal da esperança, à qual se segue a caridade: “A confissão de fé está contida brevemente no símbolo. A oração do Pai Nosso, sob o ponto de vista material, é alimento dos pequenos. No entanto, contemplada e tratada espiritualmente, ela é alimento dos fortes, pois permite nascer nos fiéis a nova esperança à qual acompanha a santa caridade”. Podemos concluir aqui com as palavras do bispo de Hipona: “Por conseguinte, só a Deus devemos pedir a força espiritual esperada para fazer o bem e para alcançar o fruto das boas obras”.

Pela oração assídua do Pai Nosso, será fortalecida nossa comunhão com Deus e com a sua santíssima vontade. Ela nos conduzirá a tudo esperar de Deus, colocando-nos no serviço generoso e despretensioso aos nossos semelhantes.

 

Dom Fernando Antônio Figueiredo, OFM

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Reflexão do Evangelho - Lc 21, 5-19 - A ruína de Jerusalém e o fim dos tempos - Terça-feira 25 de Novembro e Quarta-feira 26 de Novembro