Reflexão do Evangelho de Segunda-feira – 14 de Outubro


Reflexão do Evangelho de Segunda-feira – 14 de Outubro

Lc 11, 29-32: O sinal de Jonas

        

         Os escribas e fariseus não confiam nas palavras de Jesus e não o reconhecem como o Filho de Deus. Fecham-se em sua incredulidade. Apesar disso, pedem-lhe um sinal do alto. Na paciência do amor, ele indica o profeta Jonas como o prenúncio de sua morte e ressurreição e o povo de Nínive como figura do novo Povo de Deus. O fato de os fariseus e escribas pedirem um sinal pode corresponder a um simples costume judaico, visando autenticar a pregação de um mensageiro de Deus. Mas antes mesmo de o ouvirem, um julgamento prévio é emitido: suas obras, dizem eles, proveem do demônio. Compreende-se, então, a resposta dura e severa de Jesus, comparando-os a uma geração adúltera e perversa.

Jesus não os força. Fruto da graça divina, a fé descerra os olhos do coração e os abre à contemplação de Deus. A fé não tolhe a liberdade humana, pois cabe a cada um recusá-la ou acolhê-la. Ela não é obediência abstrata a um imperativo categórico, mas pressupõe o livre dinamismo da natureza humana, em sua orientação para Deus. Os ninivitas respondem livremente ao apelo de Jonas e, em sua pregação, reconhecem o próprio Deus exortando-os à penitência e ao arrependimento. A rainha do sul reconhece a sabedoria de Deus manifestada em Salomão. Porém, os líderes religiosos não acolhem os sinais feitos por Jesus. João Batista fora rejeitado. Agora, eles não acolhem os sinais realizados pelo Messias, o Ungido de Deus, e rejeitam a sua mensagem.

         Ao longo da vida do Senhor não faltam sinais e milagres, cujo objetivo jamais foi manifestar o seu poder ou exibir a sua sabedoria. A prioridade era a sua missão e o desejo de preparar os discípulos para o maior dos milagres: sua Ressurreição dos mortos, no terceiro dia. Confessa S. Pedro Crisólogo: “A fuga do profeta Jonas é figura do próprio Senhor. O terrível naufrágio simboliza sua morte e ressurreição. Aos judeus que pediam um sinal, Ele decidiu dar um único sinal, para que eles soubessem que a glória messiânica é transferida às nações, a todos os povos. Portanto, com toda justiça, conclui Jesus, os ninivitas hão de se levantar no dia do Julgamento e condená-los, pois eles fizeram penitência por força da pregação de um único profeta. E esse profeta era um náufrago, um estrangeiro, um desconhecido”.

Jesus vibra com a lembrança da conversão dos ninivitas e com o desejo da Rainha do Sul de ouvir a sabedoria de Salomão. Em suave e vigoroso apelo, Ele diz aos fariseus e escribas: “A Rainha do Sul se levantará no julgamento, juntamente com esta geração, e a condenará”. Pois, sendo Ele o próprio sinal de Deus, urge corresponder à sua palavra, “oferecendo, escreve Orígenes, não dons corruptíveis como o ouro ou os aromas, mas sim o perfume espiritual da fé, o suor da virtude e o sangue do martírio”.

 

Dom Fernando Antônio Figueiredo, OFM

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Reflexão do Evangelho - Lc 21, 5-19 - A ruína de Jerusalém e o fim dos tempos - Terça-feira 25 de Novembro e Quarta-feira 26 de Novembro