Reflexão do Evangelho de Quarta-feira – 30 de Outubro


Reflexão do Evangelho de Quarta-feira – 30 de Outubro

Lc 13, 22-30: A porta estreita

 

         “São poucos os que se salvam?” Quem se salvará? São perguntas feitas a Jesus. Sua resposta mostra que o mais importante não é saber quantos entrarão no reino de Deus, mas é decidir-se por Deus. Por isso, responde-lhes: “Esforçai-vos por entrar pela porta estreita, pois eu vos digo que muitos procurarão entrar e não conseguirão”. S. Cirilo de Alexandria observa que o interlocutor “queria saber se seriam poucos os que se salvariam, mas Jesus lhe fala da estrada que conduz à salvação”. O Senhor reporta-se ao essencial: a opção necessária para entrar pela porta estreita. Nesse sentido, os Santos Padres dizem estar Ele indicando a “porta do céu”, que só pode ser transposta por uma fé firme em Deus e uma moralidade isenta de mácula. De fato, esta é “a nossa porta”, presente no sonho de Jacó, embora invisível aos nossos olhos, que se abre para o átrio divino. 

         S. Jerônimo nos diz que passar por ela significa estar vigilante “para o dia do julgamento, o que exige de nós a necessidade de mantermos constantemente a lâmpada acesa pela luz de nossas boas obras”. S. Cirilo de Jerusalém destaca a exigência do jejum para se passar pela porta estreita, “graças ao qual se rechaça com energia a perdição”. A porta ampla é reservada aos que, por seu comportamento pecaminoso, ignoram a Lei. Embora Jesus lhes diga: “Afastai-vos de mim, vós todos, que sois malfeitores!”, Ele não quer declarar uma rejeição definitiva dos pecadores. Seu desejo é que todos se salvem. Suas palavras são um apelo para que “os pecadores mudem a direção do caminho trilhado por eles” e possam igualmente passar pela porta estreita. Para S. Agostinho “o alimento que se come e se bebe, ao longo do caminho da vida, é Cristo, o Cordeiro imaculado. Oxalá, todos dele se alimentem de modo a não merecerem o castigo!” 

O texto termina com a afirmação de que “os últimos serão os primeiros e os primeiros serão os últimos”, anunciando a eleição dos povos pagãos. A expressão “há primeiros” é partitiva, o que sugere a existência de outros primeiros, também israelitas, os quais, por sua adesão a Cristo, continuarão a ser os primeiros. Igualmente, os últimos, os pagãos, nem todos serão, automaticamente, admitidos na Aliança de Abraão.

 

Dom Fernando Antônio Figueiredo, OFM

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Reflexão do Evangelho - Lc 21, 5-19 - A ruína de Jerusalém e o fim dos tempos - Terça-feira 25 de Novembro e Quarta-feira 26 de Novembro