Reflexão de Evangelho de Quinta-feira - 02 de Janeiro

Reflexão de Evangelho de Quinta-feira - 02 de Janeiro
Jo 1, 19-28: Testemunho de João Batista
        
        Às margens do rio Jordão, destaca-se a austera e solene pessoa de S. João Batista, que veio preparar os caminhos do Senhor. Último dos profetas do Antigo Testamento, ele espera ansiosamente os tempos messiânicos prometidos. Permanece firme e imóvel, o que é sugerido pelo verbo latino “stare”, pois sua função não é a de procurar por Jesus e segui-lo, mas a de ser seu precursor e dar testemunho dele. Seu testemunho é fundamental para a fé dos primeiros seguidores do Mestre e para se conhecer melhor a originalidade do pensamento de S. João em relação aos outros evangelistas.  
Nesse sentido, para valorizar ao máximo a sua função de precursor e de testemunha, S. João jamais emprega o termo “Batista“ para designar João. Um belo exemplo desse modo de considerá-lo é a passagem seguinte, na qual se relata o fato de os judeus terem enviado “de Jerusalém sacerdotes e levitas para o interrogarem: ‘Quem és tu?’” Conhecendo as intenções dos que o interrogavam, sem titubear, ele testemunha: “Eu não sou o Cristo”. O título Cristo designa o Messias, o “ungido”, o enviado escatológico, o novo Davi, esperado por todo o povo como aquele que veria para libertá-lo do jugo estrangeiro e, portanto, restabelecer o reino de Israel.
 Grande é a curiosidade não só dos judeus de Jerusalém, mas de todo o povo, que acorre para ouvi-lo. Eles querem saber de seus próprios lábios, se ele é ou não o Messias. Daí a insistência dos mensageiros, que voltam a lhe perguntar. E ele, com os olhos fixos neles, em alto e bom som, declara não ser o Messias, aquele que daria início ao “Tempo Final”, mas simplesmente diz ser a voz que clama no deserto e que veio para preparar os corações dos que o ouvem. E, para que toda dúvida fosse afastada, ele acrescenta: “Após mim virá aquele do qual não sou digno de desatar a correia da sandália”.
         No entanto, ele não se furta à pergunta dos que o interrogam, mas esclarece que sua missão é “batizar com água” para a penitência, pois para acolher Jesus, escreve S. Agostinho, “é necessário tirar a areia dos olhos para servir concretamente o próximo”. As nuvens se afastam e nos horizontes da alma já surgem os albores da paz e da alegria espiritual, frutos do perdão e da remissão dos pecados. S. Hilário de Poitiers reconhece que “aos profetas cabe apregoar o arrependimento dos pecados, enquanto a Cristo pertence a missão de salvar os que depositam fé em seu nome”, visto que o seu batismo é presença do fogo purificador do Espírito Santo, que  santifica os corações e os reconcilia com o Pai. Delineia-se o vulto humano de Deus e já ressoa a potente voz do Cordeiro que tira o pecado do mundo.

Dom Fernando Antônio Figueiredo, OFM

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Reflexão do Evangelho de Lc 13, 31-35 - Herodes, uma raposa - Quinta-feira 30 de Outubro

Reflexão do Evangelho de Lc 11, 1-4 - A oração do Pai-Nosso - Quarta-feira 08 de Outubro