Reflexão do Evangelho de Sábado – 01 de Fevereiro

Reflexão do Evangelho de Sábado – 01 de Fevereiro
Mc 4, 35-41: Tempestade acalmada
        
        Ventos e águas revoltas. No meio do lago, encontram-se Jesus e os discípulos numa barca, sacudida pelo vento, que fazem as ondas despencarem sobre eles. Os apóstolos, marinheiros de profissão, pressentem o perigo. Na popa, Jesus dormia. Apavorados, eles clamam pelo Mestre, que intrépido, de pé, coloca-se ante o vento e o mar, que, imediatamente, se acalmam. À diferença do salmista ou de Jonas, que invocam o auxílio de Deus, Jesus age por ele mesmo, o que suscita a exclamação dos Apóstolos: “Que homem é este, que até os ventos e o mar lhe obedecem?” Três séculos mais tarde, S. Atanásio declara: “Aquele que ordenou ao mar não era uma criatura, mas sim o Criador”.
         Desde os primeiros séculos, os cristãos leem neste milagre a figura da Igreja. A tempestade e as ondas em reboliço lembram a violência da morte do Senhor e as turbulências pelas quais a Igreja há de passar ao longo de sua história. Mas, a exemplo dos Apóstolos, ela confia no Senhor, que lhe trará paz e bonança. Diz Orígenes: “Todos vós que navegais na barca da fé, todos vós que passais através das ondas deste mundo na barca da Igreja santa com Cristo, embora ele durma em piedoso descanso, vigia vossa paciência e perseverança. Aproximai-vos dele com ardor, insistindo com orações”.
Jesus dorme. Seu silêncio fala da constante e serena presença daquele que tudo pode, ainda que, por vezes, pareça não estar atento às necessidades e perigos dos que nele esperam. Observa S. Agostinho: “Se naufragas, é porque Cristo dormiu em ti. Esqueceste o Cristo. Desperta o Senhor e traze-o à memória. Despertar Jesus é pensar nele. Nasce a tentação, eis o vento; perturbação que te vem, eis as ondas. Desperta Cristo e Ele falará contigo e tu exclamarás: ‘Quem é este, a quem até o vento e o mar obedecem!’”
         Pasmos, os Apóstolos ressurgem para uma vida de comunhão com Cristo, que purifica seus corações e suas mentes, conduzindo-os a ter inabalável confiança em Deus. Suave e sublime experiência do amor divino! Prostrados, eles se entregam a Jesus e permanecem nos umbrais do mistério inefável, numa alegria indizível. Todo temor se afasta e eles reconhecem que em Jesus todos eles são filhos do Altíssimo.  


Dom Fernando Antônio Figueiredo, OFM

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Reflexão do Evangelho de Mt 20, 1-16 - Parábola dos trabalhadores da vinha - Quarta-feira 20 de Agosto

Reflexão do Evangelho de Mt 21, 28-32 - Parábola dos dois filhos - Domingo 28 de Setembro