Reflexão do Evangelho de Quinta-feira – 30 de Janeiro

Reflexão do Evangelho de Quinta-feira – 30 de Janeiro
Mc 4, 21-25: Como receber e transmitir a mensagem de Jesus

         Se o pecado é “o sonho da alma”, a vida espiritual é o crescimento na graça e na luz divina. Por isso, para transmitir a mensagem do Reino de Deus, Jesus emprega a imagem da luz ou da lâmpada, bastante familiar ao precursor João Batista, também a Ele, que permanece oculto sob a humildade de sua “carne” e de sua Palavra. Aliás, no mundo antigo a lâmpada tinha uma função muito mais importante do que em nossos dias. Para os judeus a luz exprime a beleza interior do homem e é reflexo da glória de Deus, manifestação de sua bondade e verdade. O salmo (104,2) a descreve como a vestimenta em que Deus se envolve e “a sua palavra é a lâmpada que guia os nossos passos”.
Em sua benevolência, Jesus ilumina, com sua luz sem ocaso, sem mudança, jamais eclipsada, as trevas de nossa vida, comunicando alegria e paz. Ele é a luz que brilha nos corações dos que creem em sua palavra e os torna capazes de contemplar a realidade divina do Reino de Deus. Juntos com São Sofrônio, podemos dizer: “Levamos em nossas mãos círios acesos para significar a luz eterna daquele que vem a nós. De nossa alma afastam-se as terríveis trevas e somos iluminados com o resplendor de Cristo”. Colhidos entre ambas, temos que optar, sermos “filhos das trevas” ou “filhos da luz”.  Todos os que são dignos da luz divina, são purificados interiormente e afugentam de seus corações as trevas do erro, da mentira e do pecado. Revistamos as armas da luz, no dizer de S. Paulo, e andemos na luz, pois ela é o calor que nos acalenta no amor a Deus e ao próximo, “por acaso, acende-se uma lâmpada para colocá-la debaixo de uma cama?” Nestas palavras do Mestre, Clemente de Alexandria percebe a séria interrogação: “Para que serve uma sabedoria que não torna sábio quem é capaz de entendê-la?”
         Iluminados interiormente, chamados “luz do mundo”, Jesus antevê, no fundo dos nossos corações, “o bem presente em nós”, concedido pelo próprio Deus, capacitando-nos para anunciar os seus ensinamentos. Este dom gratuito do amor divino leva S. Agostinho a exclamar: “Sejamos dispensadores e não usurpadores”, pois recebemos para dar e não para reter. A Palavra de Deus, desejada e amada por nós, ilumina-nos e nela tornamo-nos transmissores da mensagem do Senhor, porquanto soa, no silêncio do nosso coração, a recomendação do Mestre: “Cuidai do modo como ouvis, porque ao que tem, será dado; e ao que não tem, mesmo o que tem lhe será tirado”.  


Dom Fernando Antônio Figueiredo, OFM

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Reflexão do Evangelho de Mt 20, 1-16 - Parábola dos trabalhadores da vinha - Quarta-feira 20 de Agosto

Reflexão do Evangelho de Mt 21, 28-32 - Parábola dos dois filhos - Domingo 28 de Setembro