Reflexão do Evangelho de quinta-feira 18 de agosto





Reflexão do Evangelho de quinta-feira 18 de agosto


Mt 22, 1-14 – Parábola das Bodas

       

        Nas Escrituras, uma das mais belas imagens do céu é o banquete ou a celebração das bodas dada por um rei em honra de seu filho. Para participar do banquete, que representa a salvação oferecida pelo Reino de Deus, há uma condição: ser livre interiormente, pois tudo deverá dar lugar a esse convite. Quando chegou a hora da ceia e seu servo foi avisar aos convidados: “Vinde, está tudo pronto”, eles começaram a se escusar por terem outros afazeres. Comenta S. Cirilo de Alexandria: “Eles desdenharam o convite, porque estavam voltados para as coisas terrenas e tinham concentrado sua mente nas vãs distrações deste mundo”. Eles abandonam o essencial e importante, o Reino de Deus que estava chegando e que exige uma resposta imediata, por causa do que julgam urgente: um diz ter comprado um terreno e é necessário ir vê-lo; “outro foi para o seu negócio, e os restantes, agarrando os servos, os maltrataram e os mataram”. Diante do fato de os primeiros terem sido reprovados, o rei diz aos servos para irem pelas praças e pelas ruas da cidade, convidando os que eles encontrassem, “bons e maus”.  

        O desagrado do rei mostra-se justificável, pois, aos convidados originais para a festa, foram enviados convites com muita antecedência, com tempo suficiente para se prepararem. Recusando, eles lhe negavam a honra que lhe era devida.  Alusão clara à atitude das autoridades de seu tempo, criticada por Jesus, embora Ele deixe transparecer o desejo de que, também eles, participem da alegria do Reino.   

Os que, posteriormente, foram conduzidos ao banquete, maus e bons, pecadores e estrangeiros, recolhidos ao longo das estradas, revelam que o convite é para todos. Da mesma maneira, os Apóstolos hão de convidar não só as ovelhas perdidas da casa de Israel, mas também os publicanos, pecadores e estrangeiros. No entanto, um alerta é dado tanto para os que recusaram o convite como também para os que, aceitando-o, se aproximaram indignamente da festa, pois se o Reino é dom gratuito, ele exige, porém, uma correspondente prática de vida, significada pela veste apropriada para a festa. Deus chama a todos, sem forçar; Ele bate à porta e espera a nossa resposta: se nós queremos, sim ou não, acolher e viver o Evangelho do amor e da misericórdia.



Dom Fernando Antônio Figueiredo, OFM

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Reflexão do Evangelho - Lc 21, 5-19 - A ruína de Jerusalém e o fim dos tempos - Terça-feira 25 de Novembro e Quarta-feira 26 de Novembro