Reflexão do Evangelho de sábado 06 de agosto





Reflexão do Evangelho de sábado 06 de agosto
Lc 9,28-36 - Transfiguração do Senhor
      

       A fonte de inspiração e a referência essencial da vida cristã é a nossa solidariedade com Jesus, pois, pela sua Encarnação, nossa vida, morte, dor, sofrimento estão incluídos em sua obra redentora. Podemos, então, dizer que a sua ressurreição é a vitória definitiva do primeiro de todos os homens; ela é a luz que ilumina não só o nosso futuro, mas também o momento presente, como atesta a Transfiguração, que evidencia a certeza de que o homem, caído em Adão, reergue-se em Jesus e participa, desde já, da vida feliz e eterna em Deus.  
No alto da montanha, contemplando a face do Cristo transfigurado, os Apóstolos sentem-se inebriados, e, pasmos, desejam perpetuar aquele momento: “Façamos três tendas, uma para ti, outra para Moisés e outra para Elias”.  Emocionados, veem Jesus falando com Moisés, o grande legislador de Israel, e com Elias, o maior dos profetas. Eles partilham da glória de Cristo. De fato, a humanidade de Jesus, longe de se evaporar na glória celeste, permite que os Apóstolos contemplem a luz eterna de sua divindade e compreendam que, em sua vitória, o ser humano se eleva e é, desde agora, misteriosamente vencedor. No Messias humilhado e sofredor da cruz, nós somos tocados pelo Filho do Homem, que nos conduz ao Reino misericordioso do Pai; agora, transfigurado, nós o conhecemos de um modo diferente, cativante, com o fascínio irresistível daquele que cria ao seu redor uma atmosfera de paz, de amor e de alegria.  
Realidade consoladora e reconfortante, pois o esplendor da luz divina envolve os Apóstolos e leva Pedro a exclamar: “Rabi, é bom estarmos aqui”. Através da abertura do mistério, ele entrevê a face humana do Filho de Deus e, na treva mais que luminosa do silêncio, ele se sente arrebatado e completamente maravilhado: é a realização do desígnio originário de Deus, que compreende não apenas o aspecto espiritual do homem, mas a totalidade de sua pessoa, alma e corpo. Mais tarde, S. Gregório Palamas dirá: “Se o corpo deve tomar parte, com a alma, dos bens inefáveis no século futuro, é certo que também deles deve participar, na medida do possível, desde esta vida”.
 Em outras palavras, a Transfiguração de Jesus assegura-nos que, graças à misericórdia divina, teremos também, na medida de nossa fé e de nossas obras, de nossa esperança e de nossa caridade, um corpo transfigurado semelhante ao do Senhor. Lá, no alto do monte Tabor, engalanado de luz, Jesus prenuncia o início da verdadeira nova criação de Deus, que desponta e madura dentro da vida do homem mortal: trata-se do corpo transfigurado, livre dos incômodos terrestres e participante da glória de Deus, na expectativa da segunda vinda do Senhor, que marcará o triunfo visível de Deus. Com a ressurreição final, a morte, sem deixar de ser um fator da vida humana, não dominará mais o homem em seu destino final, pois “assim como todos morreram em Adão, todos reviverão em Cristo” (1Cor 15,22).

Dom Fernando Antônio Figueiredo, OFM

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Reflexão do Evangelho - Lc 21, 5-19 - A ruína de Jerusalém e o fim dos tempos - Terça-feira 25 de Novembro e Quarta-feira 26 de Novembro