Reflexão do Evangelho de Lc 4, 31-37 - Jesus em Cafarnaum - Terça-feira 02 de Setembro

Reflexão do Evangelho de Lc 4, 31-37 - Jesus em Cafarnaum
Terça-feira 02 de Setembro

Em sua peregrinação, Jesus e os Apóstolos entram na cidade de Cafarnaum. “Caphar” significa campo, “naum” consolação ou formoso. Nesse campo de consolação, seus ouvintes ficavam “extasiados com a sua pregação” e admirados com a autoridade com que falava. No dizer de S. Jerônimo, “Ele ensinava como Senhor, não se apoiando em outra autoridade superior, mas a partir de si mesmo”. Era o Mestre qualificado que decidia questões importantes da vida, exortando-os: “Não julgueis para não serdes julgados”. E não só. Referia-se também à força que os devia transformar: “Se amais só aqueles que vos amam, que mérito tereis com isso?”  Assim, de modo simples e direto, Ele os conduzia ao vértice espiritual da mensagem bíblica, causando impacto e incutindo respeito a todos.
       Contudo, a maior surpresa provocada por Ele era causada pelo seu modo livre de falar e de interpretar a Lei e os profetas. Não se baseava nas opiniões dos rabinos, nem mesmo nas orientações de Moisés ou de algum dos profetas. Anunciava a Palavra com autoridade (ecsousia), como um legislador divino. Sem se prender à ambição do querer ou ao desejo de glórias, Ele apontava para um novo sentido de vida: servir na generosidade de um coração despretensioso.
Ele não é um simples intérprete. É a própria Palavra de Deus presente no mundo, desvelando a verdade da vida, a fim de que os homens possam, pela sua encarnação (sárkwsis), alcançar a santificação ou, em termos dos primeiros séculos, a deificação (théwsis). Todos esperavam um Messias poderoso, mas veio um carpinteiro de Nazaré, que revela o que nenhum profeta tinha anunciado: o rosto humano de um Deus misericordioso. Afastam-se então dos seus corações o temor e a angústia, e eles passam a viver, na alegria e na paz, a certeza de que “o Reino de Deus está em nós” (Lc 17,21). Suas Palavras forjam os verdadeiros peregrinos dos tempos últimos.


Dom Fernando Antônio Figueiredo, o.f.m.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Reflexão do Evangelho - Lc 21, 5-19 - A ruína de Jerusalém e o fim dos tempos - Terça-feira 25 de Novembro e Quarta-feira 26 de Novembro