Reflexão do Evangelho de Lc 7, 36-50 - A pecadora perdoada - Quinta-feira 18 de Setembro



Reflexão do Evangelho de Lc 7, 36-50 - A pecadora perdoada
Quinta-feira 18 de Setembro
      
       Diante de Jesus, ninguém permanece indiferente, rejeita-o ou é atraído por Ele. Compreensivo e bondoso para com todos, por vezes, suas palavras são duras. Certa feita, Ele foi à casa de um fariseu e “reclinou-se à mesa” para comer com ele. Ele não rejeita o convite, diz S. Gregório de Nissa, “embora seu anfitrião não seja um dos seus discípulos, aliás, ele não crê nele. Por que então S. Lucas transmite-nos esta cena? Talvez para dar-nos um exemplo da conduta de Jesus. De fato, deparamo-nos com muitas pessoas que, fechadas sobre si mesmas, julgam-se justas e tratam as demais pessoas com desprezo por tê-las como pecadoras. Sem esperar o dia do julgamento, separam os cabritos dos cordeiros, pois pensam ver as portas do céu abrirem-se, exclusivamente, para elas, pois não querem partilhar com as demais o lugar nem a mesa”.
       Trazendo nas mãos um vaso de alabastro com um precioso perfume, aproxima-se de Jesus uma mulher tida como pecadora. Chorando, ela lavava os pés do Mestre com suas lágrimas e os enxugava com os seus cabelos.  “Porque Maria viu claramente as manchas de sua vergonha, diz S. Gregório Magno, correu para lavá-las na fonte da Misericórdia, e não teve vergonha diante dos convivas. No seu interior, a vergonha era tão grande, que ela não temia mais nada proveniente do exterior. Mas, o que mais admiramos? Maria que se aproxima ou o Senhor que a recebe? Mais exato seria perguntar: é Ele quem a recebe ou é Ele quem a atrai? Ele a atrai e a recebe, pois a atrai no interior de sua misericórdia e a recebe com bondade”. A cena desagradou o dono da casa que dizia, em seu coração: “Se este homem fosse profeta, saberia bem quem é a mulher que o toca, porque é uma pecadora!” Mas Jesus lê os seus pensamentos.
- “Simão, tenho uma coisa a dizer-te”.
- “Fala, Mestre!”.
- “Um credor tinha dois devedores; um lhe devia quinhentas moedas; outro, cinquenta. Como não tivessem com que pagar, perdoou a dívida de ambos. Na tua opinião, qual dos dois o amará mais?”
- “Suponho que aquele ao qual mais perdoou”.
- “Julgaste bem, disse-lhe Jesus”. E explicou-lhe a parábola, mostrando a diferença entre ele, Simão, e aquela mulher. Simão que se julgava justo e irrepreensível, diante de Deus, não lhe tinha prestado o respeito devido, derramando água em seus pés e óleo na cabeça, conforme costume judaico. A atitude da mulher era totalmente diferente: ela reconhecia a sua culpa e recorria a quem podia perdoá-la e conceder-lhe vida nova. Então, voltando-se para ela, diz-lhe: “Teus pecados estão perdoados”. E aos convivas, Ele declara que os numerosos pecados daquela mulher tinham sido perdoados, “porque ela demonstrou muito amor”.
       Presentes na ceia e presos às aparências e ao passado da mulher, os fariseus a rotulavam e a desprezavam. A atitude do Mestre é bem outra. Aquele que sonda “os rins e os corações” e lê o que se encontra no coração da mulher, prostrada aos seus pés, expressa misericórdia e bondade. Perturbados, os doutores da Lei se interrogam: Quem pode perdoar os pecados, além de Deus? E ainda mais admirados o ouvem dizer: “Tua fé te salvou; vai em paz”.

Dom Fernando Antônio Figueiredo, o.f.m.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Reflexão do Evangelho - Lc 21, 5-19 - A ruína de Jerusalém e o fim dos tempos - Terça-feira 25 de Novembro e Quarta-feira 26 de Novembro