Reflexão do Evangelho Lc 6, 43-49 - Árvore julgada pelos frutos - Sábado13 de Setembro

Reflexão do Evangelho Lc 6, 43-49 - Árvore julgada pelos frutos
Sábado 13 de Setembro
      
       Os fariseus e escribas, pouco propensos a crer em Jesus, buscavam explicações racionais para explicar seus milagres. Acusavam-no de impostor e esforçavam-se para convencer o povo de que era de comum acordo com o “príncipe” dos demônios, Beelzebu, que Ele os expulsava. Eles se consideravam doutores da Lei e desprezavam Jesus e seus discípulos, na maior parte, provenientes da Galileia. Sem se intimidar, Jesus se dirige a eles e, por não saberem distinguir quem é falso ou verdadeiro profeta e estarem bem longe de fazer o que dizem, acusa-os de blasfemar contra o Altíssimo.  S. Cirilo de Alexandria observa “que quem vem a nós não deve ser honrado e exaltado pelas vestes que traz, mas pelo que realmente é”. Por isso, Jesus convida-os a jamais lançar a culpa sobre os outros, mas a superar o ódio e o rancor, e a viver o perdão e o amor misericordioso.
Não bastam as palavras ou boas e belas intenções, contam sim as ações. O perigo da hipocrisia então é superado pela unidade entre a ação exterior e as motivações interiores, porque “não há árvore boa, proclama Jesus, que dê maus frutos, e nem árvore má que dê frutos bons”. A ação é boa quando nasce de um bom coração, considerado na Bíblia como centro dos pensamentos, desejos e decisões, enquanto os maus frutos brotam da falsidade e produzem uma religião fácil, que elimina a verdadeira penitência e a cruz. As árvores são os homens e os frutos são suas obras. Do mesmo modo, o “homem bom tira do seu coração o bem como de um bom tesouro” e produz frutos de justiça, de vida e de amor, mas “o indigno e maldoso, conclui S. Cirilo, vomita a sua secreta impureza”.
A seguir, o Mestre compara os que vão a Ele e ouvem suas palavras e as pratica “àquele que constrói a sua casa sobre a rocha”. Ainda que venham chuva ou os aguaceiros de inverno, quadro bem palestinense, a casa permanece firme, pois diz Orígenes, “todas as perseguições podem se abater sobre esta casa e nada obtém, pois ela foi construída sobre a rocha, que é a Palavra de Jesus”. Nada a abalará. Porém, grande será a ruína da casa dos que ouvem a Palavra e não a põem em prática.  Condenação? Não. Ou antes, um apelo, uma advertência para corrigi-los: “Por que me chamais ‘Senhor! Senhor!’, mas não fazeis o que eu digo?”
Entrementes, os que o seguem exultam, os inimigos sentem-se desmascarados perante o povo e, indignados, procuram meios para calá-lo e pôr termo a suas insinuações.


Dom Fernando Antônio Figueiredo, o.f.m.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Reflexão do Evangelho - Lc 21, 5-19 - A ruína de Jerusalém e o fim dos tempos - Terça-feira 25 de Novembro e Quarta-feira 26 de Novembro