Reflexão do Evangelho de quarta-feira 11 de maio



Reflexão do Evangelho de quarta-feira 11 de maio
Jo 17, 11-19 - Oração sacerdotal de Jesus (II).

       Instituído no sermão da Montanha, o Colégio dos Doze foi se consolidando ao longo da vida e do ensinamento de Jesus. Ao Apóstolo Pedro é confiado o governo da Igreja e a função de “confirmar seus irmãos na fé”; aos Doze, Jesus confere o poder de “ligar e desligar” e o mandato de perpetuar a eucaristia e o serviço mútuo. Em vez de erguê-los a Deus, o próprio Deus veio aos homens, para, unindo-os, torná-los servidores uns dos outros. Naquela hora, que antecede a sua prisão, Jesus roga ao Pai para que proteja aquele pequeno rebanho: “Pai santo, guarda-os em teu nome - este nome que me deste – e, assim, sejam um como nós somos um”.  A unidade que existe entre o Pai e o Filho, em sua missão na terra, se dilata e torna-se, na unidade dos que o seguem, fruto de seu perfeito amor ao Pai: “Eu neles e tu em mim, diz Jesus, para que sejam perfeitos na unidade”.
Eis que um rumor chega até o monte das Oliveiras! No bruxulear das tochas, entre as trêmulas cintilações, Jesus percebia a perturbação, refletida na face dos discípulos. Se lágrimas e angústia povoam seus corações, Ele quer que eles as superem e participem da perfeita alegria, que consiste no fato de ele entrar, no dizer de S. Ambrósio, “na glória de sua filiação divina”. Alegria que não nega a cruz, nem os embates, tampouco as perseguições por causa do Evangelho e do anúncio da Boa-Nova. Por isso, em sua bondade e compreensão, o Mestre não pede ao Pai que os afaste do mundo, mas que os preserve do mal, pois “eles não são do mundo, como eu não sou do mundo”. Ao invés, a eles foi dada a missão de atualizar, ao longo da história, o evento salvador, realizado plenamente pelo Mestre.
O olhar de Jesus se volta para o alto, seus lábios se abrem num diálogo amoroso com o Pai, Jesus de piedade e de amor... Em sua prece, Ele transporta os discípulos aos umbrais de sua glória, e debruçado na terra úmida, Ele ora por eles, Ele ora por nós, para que também nós sejamos fiéis à nossa vocação. Momento comovedor, que leva S. Cipriano a exclamar: “Tão grande é a bondade e a misericórdia do Senhor em vista de nossa salvação, que, não bastando redimir-nos com seu sangue, quis ademais rezar por nós”, para que fôssemos “consagrados na verdade”.

Dom Fernando Antônio Figueiredo, OFM

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Reflexão do Evangelho de Mt 21, 33-43 - Parábola dos vinhateiros homicidas - Domingo 05 de Outubro

Reflexão do Evangelho de Mt 16, 24-28 - Condições para seguir Jesus - Sexta-feira 08 de Agosto

Reflexão do Evangelho de Mt 14, 13-21 - Multiplicação dos pães (primeira) - Domingo 03 de Agosto