Reflexão do Evangelho de segunda-feira 09 de maio



Reflexão do Evangelho de segunda-feira 09 de maio
Jo 16, 29-33 - Jesus fala claramente aos Apóstolos


        Mais uma vez, os Apóstolos confessam a origem divina de Jesus. Para eles, a linguagem do Mestre é clara, sem figuras ou enigmas: “Tu falas abertamente e vemos que sabes tudo e não tens necessidade de que alguém te interrogue”. Não duvidando da sinceridade dos Apóstolos, Jesus lhes pergunta: “Credes agora? ”. Seu desejo é fortalecê-los na fé, não ainda suficientemente sólida para resistir a iminente tragédia, que irá se desenrolar naquela noite: sua prisão e flagelação. Com efeito, à hora de sua Paixão, eles iriam se dispersar, cada um para seu lado. Porém, uma certeza devia confortá-los: a sua vitória final e a reunião deles na unidade, como anunciavam os profetas para os tempos messiânicos.  
       Mais tarde, após passarem por um longo e exigente processo, eles serão imperturbáveis e demonstrarão uma fidelidade inconteste. No momento, apesar de seus protestos de firmeza e lealdade, o Mestre os alerta e os prepara para sua Paixão: “Eis que chega a hora – e ela soou – e me deixareis sozinho”. Também eles terão a “hora das trevas”, e se dispersarão, como o Povo eleito, entregues às suas próprias forças.
No entanto, em sua bondade misericordiosa, Ele lhes recorda o fato de Ele ter vindo “para reunir na unidade os filhos de Deus dispersos”; e Ele não está só, o Pai, que o enviou, está com Ele: é a fonte e a garantia de suas palavras e ações. Ao final, ao dizer: “Tende coragem! Eu venci o mundo! ”, Ele assegura que a sua vitória é também a vitória de seus seguidores, que, nas palavras de S. Agostinho, “tiveram fé e venceram”. Mas, continua Agostinho, “em quem creram, a não ser nele? Pois ele não teria vencido o mundo, se o mundo tivesse vencido seus membros”.
       Por conseguinte, eles nada têm a temer: Jesus não abandona os seus seguidores, deixando-os entregues aos ataques inimigos; Ele os confirma e os reúne em sua paz. Germano de Constantinopla proclama: “A coroa de espinhos, que o Salvador levou sobre sua cabeça, antes de ser crucificado, é confirmação de sua vitória, pois Ele havia dito: tende confiança, eu venci o mundo”. Por sua vez S. Agostinho conclui: “Graças sejam dadas a Deus que nos dá a vitória – e acrescenta imediatamente – por nosso Senhor Jesus Cristo”. A relação íntima dos discípulos com Jesus traduz sua relação com o Pai. Assim, logo após, Ele dirá: “Eu neles e tu em mim, para que sejam perfeitos na unidade e para que o mundo reconheça que me enviaste e os amaste como tu me amaste” (Jo 17,23).

Dom Fernando Antônio Figueiredo, OFM

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Reflexão do Evangelho de Lc 13, 31-35 - Herodes, uma raposa - Quinta-feira 30 de Outubro

Reflexão do Evangelho de Lc 11, 1-4 - A oração do Pai-Nosso - Quarta-feira 08 de Outubro