Reflexão do Evangelho de quinta-feira 12 de maio



Reflexão do Evangelho de quinta-feira 12 de maio
Jo 17, 20-26 - Que todos sejam um como nós, ó Pai.

      
       Para os Apóstolos, o processo histórico da vida de Jesus é marcado por dois principais momentos: sua missão terrena e seu retorno para junto do Pai. Nascido de Maria, Jesus tornou-se um de nós, fazendo parte de nossa história, para nos conduzir ao Pai celestial. Pasmos, perguntamo-nos: como é possível que a salvação de todos dependa de uma única pessoa? Para S. João, Jesus não é simplesmente “um” (en) entre tantos, Ele é esse único, em quem todos nós somos “um” (eis) só. E mais. Nele, se estabelece não apenas a comunhão entre nós, mas, pelo fato de Ele ter assumido nossa humanidade, a unidade com Ele significa que se instaura em nós a glória divina original e a nossa responsabilidade inicial para com o mundo: é a nova verdadeira criação de Deus.
Essa relação entre criação, encarnação e “nova criação”, não é compreendida, imediatamente, pelos Apóstolos. Mais tarde, eles compreenderão que a glória de Jesus é a do Filho de Deus, glória que lhe pertence exclusivamente, e que é concedida por Ele aos seus discípulos: “Ó Pai, eu dei-lhes a glória que tu me deste, para que eles sejam um, como nós somos um”. E porque essa unidade corresponde à nossa perfeita identidade, ela urge ser vivida na unidade de um perfeito amor: “Eu neles e tu em mim, para que assim eles cheguem à unidade perfeita e o mundo reconheça que tu me enviaste e o amaste como me amaste a mim”. Eis a característica essencial do ser seu “discípulo”: o amor.   
       Mais tarde, S. Gregório de Nazianzo irá expressar a unidade de Jesus com a humanidade regenerada na célebre frase: “O que não foi assumido, não foi salvo”, pois sendo Deus, Jesus é consubstancial ao Pai; sendo homem, Ele é consubstancial a nós, em sua humanidade. S. Atanásio dirá por sua vez: “Deus se fez homem para que o homem se tornasse Deus”. No entanto, de nossa parte, é preciso se dispor à comunhão com Cristo, comunhão que será efetivada graças à vinda e à ação do Espírito Santo: fogo purificador que nos transforma e nos molda à semelhança do Filho.  
Por conseguinte, introduzidos na unidade de Deus, o Sumo Bem, os discípulos viverão, no amor fraterno e no respeito à natureza, o mistério de Cristo, à imagem de quem foram criados, e participarão da vida divina, no eterno “Presente” de Deus.

Dom Fernando Antônio Figueiredo, OFM

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Reflexão do Evangelho de Lc 13, 31-35 - Herodes, uma raposa - Quinta-feira 30 de Outubro

Reflexão do Evangelho de Lc 11, 1-4 - A oração do Pai-Nosso - Quarta-feira 08 de Outubro