Reflexão do Evangelho de sábado 04 de junho



Reflexão do Evangelho de sábado 04 de junho
Lc 2, 41-51 – Jesus entre os doutores
      

       Cada ano, José ia a Jerusalém para a festa da Páscoa. Embora as mulheres não fossem obrigadas a ir, Maria, mulher de oração, amava estar no Templo para orar e participar das celebrações. “Quando o menino completou doze anos”, a maioridade segundo a Lei, Maria o levou consigo. A Praça do Templo regurgitava de peregrinos, que entoavam salmos e, alegres, louvavam ao Senhor.
Terminados os festejos, José e Maria uniram-se à caravana que retornava a Nazaré. Após um dia de caminhada, ao darem-se conta de que o Menino não estava entre os parentes e amigos, imediatamente, “voltaram a Jerusalém à sua procura”. Com dificuldade atravessavam a cidade ainda repleta de gente; o coração deles pulsava forte, seus olhos corriam de um lado para outro. O Menino, onde estaria Ele? Dirigem-se então ao Templo; lá os doutores e escribas costumavam prolongar-se em instruções e debates sobre a interpretação da Lei. Surpresos, viram-no entre os sábios das Escrituras, ouvindo o que falavam e fazendo perguntas, que os deixavam admirados pela sua inteligência e pelo conhecimento que demonstrava ter. 
       Foram dias de apreensão e de inquietude. S. Ambrósio observa: “Depois de três dias, Ele é encontrado no Templo, como se houvesse esquecido a sua família segundo a carne, cheio de sabedoria e da graça de Deus, revestido de esplendor divino, como em sua Ressurreição”. O fato de eles terem procurado e encontrado o Menino tem um profundo significado espiritual: nosso caminhar interior para Deus, do pecado para a graça divina, do erro e da mentira para a verdade, do egoísmo e da ganância para uma vida de doação e de generosa partilha.  
       “Meu filho! ” – Exclamou Maria. “Por que agiste assim conosco? Olha que teu pai e eu, aflitos, te procurávamos”. – “Por que me procuráveis? Não sabíeis que devo estar na casa de meu Pai? ” – Respondeu Jesus.
       Suas palavras deixaram seus pais confusos, pois elas insinuavam ser o Templo a casa de seu Pai e, no dizer de S. Beda, “continham a declaração de serem sua glória e seu poder coeternos aos de Deus Pai”. Entrementes, Maria, “sua mãe, guardava tudo isso em seu coração” e ia traçando, com imagens cada vez mais ricas, o quadro da vida do seu Filho. Aos poucos, levantava-se o véu do infinito amor de seu Filho, envolvendo-a em sua inefável ternura. A resposta de Maria será sempre pronta, e assim ela estará, a cada instante, concretizando o “fiat” dado no momento da Anunciação. Unidos à Mãe, também nosso coração se torna um Tabernáculo, onde as palavras de Jesus são guardadas e meditadas.

Dom Fernando Antônio Figueiredo, OFM

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Reflexão do Evangelho - Lc 21, 5-19 - A ruína de Jerusalém e o fim dos tempos - Terça-feira 25 de Novembro e Quarta-feira 26 de Novembro