Reflexão do Evangelho de segunda-feira 13 de junho




Reflexão do Evangelho de segunda-feira 13 de junho
Mt 5, 38-42 - Olho por olho e dente por dente


       Ao interpretar a Torá, dá-se, com Jesus, a mudança da esfera cultual para a esfera moral-espiritual. Se a Lei proibia o assassinato, Jesus vai além; Ele quer banir do coração humano o ódio ou, no dizer de S. Agostinho, “as vinganças desmesuradas”. Se os códigos do Antigo Testamento falam do princípio de compensação, referendada pela lei romana do “talión”: “Vida por vida, olho por olho”, Jesus fala da justiça misericordiosa e do amor devido aos próprios inimigos. Aliás, a prática da Lei do Talião estava já perdendo força, e no tempo de Jesus, provavelmente, já assumira a forma de uma compensação pecuniária. Evolução provocada, em grande parte, pela consciência que se tinha da proximidade privilegiada de Deus junto ao seu povo.  
Em suas pregações, Jesus destaca a verdadeira relação de aliança com Deus e com o próximo, de maneira que uma oferta feita a Deus pelos pecados não terá força se não for acompanhada pela reconciliação com o próximo ofendido. Ademais, Ele mostra que o objetivo principal da Lei não é apenas frear o desejo da vingança pessoal, mas conduzir o faltoso à santidade de vida, à caridade generosa. Aliás, o apelo incisivo para que todos se assemelhem ao Pai causa surpresa aos doutores da Lei, que não o compreendem ao ouvi-lo dizer: “Sede perfeitos como vosso Pai celeste é perfeito”.  Nesse sentido, S. Agostinho lembra que, ao perder o seu ímpeto, a violência é acolhida “nas redes da paciente caridade” e inspira o discípulo a vencer o mal com o bem e, até mesmo, desejar o bem daqueles que o ofendem, tarefa ousada, que exige força interior e espiritual.    
       No contexto da época, Jesus subordina o ato jurídico estrito à misericórdia divina, vértice espiritual dos Dez Mandamentos do Sinai. Em outras palavras, Jesus rejeita a obediência servil, em favor da obediência filial da fé, fruto do amor fraterno. Diz Ele: “Àquele que quer pleitear contigo, para tomar-te a túnica, deixa-lhe também a veste; e se alguém te obriga a andar uma milha, caminha com ele duas”. Sem deixar de ser judeu, Jesus supera a Lei mosaica, e introduz os discípulos na Lei evangélica, “pois se amais somente aqueles que vos amam, que mérito tereis com isso? Não agem da mesma forma os pecadores? ”. Por conseguinte, seu objetivo principal é mostrar o ideal a ser buscado pelos seus seguidores, para que sejam, efetivamente, “filhos do Pai que está nos céus, que faz nascer o Sol sobre os maus e os bons, e chover sobre os justos e os injustos”. Sem cair numa visão casuística, Ele os exorta a almejar a perfeição espiritual, graças à qual eles se tornam partícipes, desde já, da feliz eternidade do Pai.

Dom Fernando Antônio Figueiredo, OFM



Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Reflexão do Evangelho - Lc 21, 5-19 - A ruína de Jerusalém e o fim dos tempos - Terça-feira 25 de Novembro e Quarta-feira 26 de Novembro