Reflexão do Evangelho do dia 11 de Maio de 2013


Sábado – 11 de maio
Jo 16, 23-28: Se pedirdes ao Pai em meu nome Ele vo-lo dará

          Deus não se justapõe às criaturas. Nem pode ser considerado como estando fora de nós. Deus é plenitude e, por conseguinte, distinguindo-se de tudo, ele está presente em todas as realidades, sustentando-as e guiando-as à sua realização plena. Mas o homem, escreve S. Agostinho, “quer e não quer, sabe e ignora, recorda e esquece. Ninguém tem em si a unidade do ser”, a perfeição. Com efeito, o homem pecou e afastou-se da unidade, pois o pecado significa justamente colocar obstáculos à força do amor, impedindo-a de levá-lo à comunhão com Deus e com seus semelhantes. Mas o Pai eterno não desiste de suas criaturas. Deseja salvá-las. Por isso, ele envia seu próprio Filho Jesus para proclamar que Deus é amor. Apelo admirável à conversão, vigorosa proposta para que, ouvindo sua voz, acolham seu perdão e se reconciliem com ele.
Jesus é presença da gratuidade inefável do amor divino. S. Irineu se pergunta: “Como poderia o homem ir a Deus, se Deus não tivesse vindo até nós?” Por ele, o ser humano é elevado à dignidade de filho de Deus. Único mediador, ele nos reconcilia com o Pai celestial e nos comunica as riquezas divinas. Escreve S. Gregório Nazianzeno: “Sua ressurreição é para o gênero mortal o princípio de retorno à vida imortal”. Por isso, em sua peregrinação terrena, é insistente o convite de Jesus para que todos, através da oração e do agir justo e verdadeiro, estejam em comunhão com o Pai.
         Unidos a Jesus, os seus seguidores, com confiança e alegria, ouvem-no assegurar-lhes: “Se pedirdes alguma coisa ao Pai, ele vos dará”. Pasmos, eles reconhecem que estas palavras brotam do seu coração misericordioso e indicam a eficácia da oração feita ao Pai em união com ele. Sua grande ternura leva-o a repetir: “Nesse dia, pedireis em meu nome e não vos digo que rogarei ao Pai por vós, pois o próprio Pai vos ama”. A expressão “nesse dia” indica o tempo inaugurado por Jesus e o nosso “nascimento do alto” como “novas criaturas”. É o tempo da graça e da misericórdia. Vivendo o amor-doação com Jesus e no poder do Espírito divino, retornamos ao Pai. Restabelece-se a unidade tão desejada e buscada pelo homem.
 Triunfo do amor de Jesus! Importa, portanto, permanecer nele e amplificar o amor fraterno. Com os Apóstolos, exprimimos a ardente aspiração contida em nossos corações, ao dizer: “Agora vemos que sabes tudo e não tens necessidade de que alguém te interrogue. Por isto cremos que saíste de Deus” (v. 29).

Dom Fernando Antônio Figueiredo, OFM

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Reflexão do Evangelho - Lc 21, 5-19 - A ruína de Jerusalém e o fim dos tempos - Terça-feira 25 de Novembro e Quarta-feira 26 de Novembro