Reflexão do Evangelho do dia 20 de Maio de 2013


Segunda-feira – 20 de maio
Mc 9, 14-29 – Cura do epilético endemoninhado
      
Os milagres são expressões do poder salvador de Deus manifestado em Jesus e atestam, assim como sua pregação, sua missão redentora. Ligados à fé, os milagres se situam acima de todo poder humano. Escreve Orígenes: “Se houver uma fé completa, em que a Escritura é acolhida em sua totalidade, então, o fiel será como o grão de mostarda, e nada lhe será impossível”.
          Mas há milagres, tão próximos da vida, como o do epilético endomoninhado, que nos colocam no interior da Providência divina e nos fazem reconhecer a importância primordial deles no ministério de Jesus. O pai do jovem havia, anteriormente, recorrido aos discípulos, sem conseguir nada. Após a cura e a expulsão do demônio, Jesus repreende os Apóstolos pela pouca fé demonstrada por eles. Mais tarde, eles o procuram e, a sós, perguntam-lhe: “Por que não pudemos expulsá-lo”? A resposta os conduz ao sentido do milagre que, como manifestação do poder de Deus, exige fé de quem recebe o milagre e de quem o realiza: “Foi por causa da fraqueza da vossa fé”. E, utilizando uma hipérbole rabínica, Jesus comenta: “Se tiverdes fé como um grão de mostarda, direis a este monte: Transporta-te daqui para lá, e ele se transportará, e nada vos será impossível”. Expressão apropriada às circunstâncias, visto que se encontram ao pé do monte Tabor.
          À luz da relação especial de Jesus com seu Pai, a fé expressa nossa relação de amor com Deus. Por ela se estabelece a união do humano e do divino, sem deixar espaço possível para o mal e, muito menos, para o demônio. Por isso, as palavras de Jesus aplicam-se a todos os presentes. Cada qual, de modo diferente, carecia de fé. Os discípulos tinham fracassado por confiarem demasiadamente em si mesmos. O apelo de Jesus é para que cada um tenha fé. Quem tem fé ora e participa da intimidade de Deus e, na silenciosa profundidade do seu coração, sente-se livre e expulsa o mal de sua pessoa e de seus irmãos. S. Agostinho nos oferece um precioso conselho: “Não deves aproximar-te do demônio pelos desejos mundanos e que ele não ouse aproximar-se de ti. Ele pode ladrar e provocar, mas não pode morder, a menos que tu queiras. Pois não é de modo forçado que ele te leva ao mal, mas sim por persuasão: ele não extorque nosso consentimento, ele suplica-o”.

Dom Fernando Antônio Figueiredo, OFM

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Reflexão do Evangelho de Mt 21, 33-43 - Parábola dos vinhateiros homicidas - Domingo 05 de Outubro

Reflexão do Evangelho de Mt 16, 24-28 - Condições para seguir Jesus - Sexta-feira 08 de Agosto

Reflexão do Evangelho de Mt 14, 13-21 - Multiplicação dos pães (primeira) - Domingo 03 de Agosto